Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Embaixadora de Portugal diz que é “imperativo” promover hábitos de leitura em Cabo Verde

Cidade da Praia, 27 Jan (Inforpress) – A embaixadora de Portugal em Cabo Verde, Helena Paiva, considerou hoje que é “imperativa” a necessidade de promover os hábitos de leitura em Cabo Verde, sobretudo junto das crianças e dos adolescentes.

A diplomata falava na abertura do Seminário Especializado no Ensaio Literário Intertextual, baseado em Obras Infanto-Juvenis, que decorre na Faculdade de Educação e Desporto (FaED), na Cidade da Praia, no âmbito do Procultura, uma Acção do Programa Indicativo Multianual PALOP – Timor-Leste e União Europeia.

Para a promoção dos hábitos de leitura, Helena Paiva indicou uma “assertiva” operacionalização de acções estruturadas de promoção de uma cultura valorizada da leitura.

“O assíduo e construtivo relacionamento com o livro, que em muitos casos, e pelas fantásticas viagens que proporcionam, constitui o primeiro contacto com o mundo”, notou Helena Paiva, considerando o livro um “instrumento de excelência” e o maior aliado do binómio ensino-aprendizagem.

Neste sentido, apontou como exemplo o projecto da dinamização das bibliotecas escolares, desde 2018, que a cooperação portuguesa implementa em parceria com a Direcção Nacional da Educação e Biblioteca Nacional de Cabo Verde.

Helena Paiva lembrou que existem 14 bibliotecas escolares na ilha de Santiago e que “brevemente” vão ser implementadas na ilha do Fogo e Maio.

O projecto bibliotecas escolares teve como principal objectivo a angariação de livros de literatura infantil e juvenil em Portugal com vista à criação de bibliotecas escolares em Cabo Verde.

Este seminário, que conta com a participação de 30 professores universitários e profissionais de educação, tem como objectivo formar pelo menos 480 educadores de infância e professores do ensino básico na utilização da literatura como recurso de ensino-aprendizagem, para estímulo da leitura em idade precoce e criação de novos leitores.

A Procultura é uma Acção do Programa Indicativo Multianual PALOP – Timor-Leste e União Europeia, financiada pela União Europeia, co-financiada e gerida pelo Instituto Camões, Fundação Calouste Gulbenkian com o objectivo de contribuir para a criação de emprego em actividades geradoras de rendimento na economia cultural e criativa com um orçamento de 19 milhões de euros até 2023.

OM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos