EMar e CV Interilhas querem elevar qualificação dos quadros cabo-verdianos com assinatura de protocolo

Mindelo, 28 Abr (Inforpress) – O vice-presidente do Grupo ETE, Jorge Maurício, garantiu que o protocolo de cooperação assinado hoje, no Mindelo, entre Escola do Mar (EMar) e Cabo Verde Interilhas (CV Interilhas) deverá servir para elevar qualificação dos quadros cabo-verdianos.

Conforme o responsável, que falava durante o acto de assinatura do contrato, em nome do grupo detentor da concessionária dos transportes marítimos inter-ilhas, CV Interilhas, “um país que se quer elevar em termos de qualidade e estar inserido num mercado global deve principalmente apostar na formação”.

Daí, ajuntou, as ofertas formativas da EMar poderão dar garantia para a qualificação, sustentabilidade, segurança e melhoria do serviço do transporte público de passageiros e mercadorias, que é “algo vital” para um país arquipelágico como Cabo Verde.

“Se alguém pensa ou pensará que deixaremos de ter transporte marítimo ou que o transporte marítimo é coisa menor, estamos todos enganados”, sublinhou o vice-presidente do Grupo ETE, adiantando que “um dos melhores projectos dos últimos tempos foi a construção de um modelo de transporte público com organização”.

Por isso, segundo a mesma fonte, a formação servirá para reter quadros cabo-verdianos na marinha e criar cursos modulares, ate porque, sublinhou, a CV Interilhas, desde 2019, já investiu “mais de quatro mil contos” na qualificação dos tripulantes e na atribuição de estágios profissionais.

O administrador executivo da EMar, Ivan Bettencourt, por seu lado, enalteceu que a parceira da escola e a CV Interilhas tem em vista o estreitamento de relação com enfoque na promoção e formação técnico-profissional na área de transporte marítimo, bem como capacitar os quadros cabo-verdianos para os desafios nacionais.

Ademais, conforme a mesma fonte, a EMar compromete-se a promover cursos específicos de acordo com as necessidades da CV Interilhas “para colmatar quaisquer dificuldades que possam existir no sector”.

O acto foi presidido pelo ministro do Mar, Abraão Vicente, para quem o presente protocolo cria e eleva as expectativas dos jovens cabo-verdianos e sanvicentinos, em particular, para que possam ver a EMar como escola que garanta a empregabilidade, tanto na CV Interilhas, mas também na internacionalização.

O protocolo tem a duração de dois anos, podendo ser automaticamente renovável por igual período.

LN/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos