Eleições ANMCV: MpD quer dirigir conselhos directivo e geral e PAICV propõe presidir à Assembleia-geral

Cidade da Praia, 15 Dez (Inforpress) – O MpD avançou hoje que a sua proposta para a eleição dos novos órgãos estatutários da ANMCV visa, no mandato 2021-2024, dirigir os conselhos directivo e geral, enquanto o PAICV quer presidir à Assembleia-geral da associação.

A posição do Movimento para a Democracia (MpD) e do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) foi manifestada pelos representantes dos referidos partidos, em declarações à imprensa, à margem do IX Congresso da Associação Nacional dos Municípios de Cabo Verde (ANMCV), que tem como objectivo eleger os órgãos estatutários da ANMCV para os próximos quatro anos.

O MpD, através do seu porta-voz, Herménio Fernandes que é também presidente da Câmara Municipal de São Miguel, disse que o partido traz para o referido congresso, a proposta para presidir ao Conselho Directivo e ao Conselho Geral da ANMCV.

“Tendo em conta que foi sempre tradição o partido manter ao nível dos órgãos da ANMCV para garantir a pluralidade na representação dos órgãos, o MpD está a negociar com os autarcas do PAICV para garantir também lugares aos seus autarcas nos dois órgãos”, asseverou.

Segundo o porta-voz, a direcção dos dois órgãos deverá ficar com o MpD, lembrando que o partido ventoinha nas últimas eleições elegeu 14 presidentes de câmaras e o PAICV conseguiu eleger oito presidentes de câmaras municipais a nível nacional.

“Para presidir ao Conselho Geral vamos avançar com a presidente da Assembleia Municipal de Ribeira Grande de Santo Antão, Leida Santos, e para o Conselho Directivo vamos avançar com o nome do presidente da Câmara Municipal de São Miguel, Herménio Fernandes”, adiantou, afiançando que irão negociar a participação dos autarcas do PAICV e que estão a trabalhar na criação de uma lista consensual para apresentar as eleições dos órgãos.

“Já fizemos um primeiro encontro de socialização das propostas, há um bom ambiente, estamos a aguardar os autarcas do PAICV fecharem os nomes entre eles, porque da nossa parte fechamos as listas e estamos a trabalhar para que a eleição dos órgãos seja feita num ambiente de consenso porque durante os últimos 4 anos, tivemos um bom ambiente dos trabalhos a nível da nossa associação”, concluiu destacando os ganhos alcançados a nível do poder local.

Por seu turno, o porta voz do PAICV, Walter Évora, presidente da Assembleia Municipal da Boa Vista, asseverou que o seu partido “não aceita açambarcamento dos órgãos por apenas uma única força política”, lembrando que a ANMCV é a associação nacional e não associação de um partido ou do outro.

“Os órgãos próprios da associação têm que reflectir toda a realidade política dos municípios, portanto, nós à partida, não aceitamos que seja açambarcado de certa forma por apenas uma força política”, realçou, reconhecendo que a força maioritária deverá presidir ao órgão executivo, mas que tem sido tradição o partido com menos câmaras presidir à Assembleia-geral da ANMCV.

Quanto aos nomes do PAICV para, nos próximos quatro anos, presidir à Assembleia-geral da ANMCV, caso haja entendimento com o MpD, Walter Évora disse que o partido ainda não concluiu o processo de escolha, mas que provavelmente será Francisco Carvalho, presidente da Câmara Municipal da Praia.

“Estamos a tentar negociar com o MpD para termos uma lista consensual e podemos sair daqui com uma associação que efectivamente represente a realidade nacional a nível dos municípios”, adiantou, apontando, por outro lado, que o PAICV a nível da associação tem propostas concretas para a revisão do estatuto da ANMCV, visando melhorar o funcionamento da referida associação.

CM/ZS

Inforpress/Fim.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos