Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Eleição para Conselho dos Direitos Humanos é “alto reconhecimento” – China

Pequim, 14 Out (Inforpress) – A China considerou hoje que a sua reeleição para o Conselho dos Direitos Humanos da ONU, apesar da oposição dos principais Estados democráticos e várias organizações, é uma prova do “alto reconhecimento” da comunidade internacional pelos seus feitos.

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Zhao Lijian, também descartou as críticas do secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, à reeleição, como “muito absurdas” e acusou Washington de interferir nos assuntos internos de outros países usando os Direitos Humanos como pretexto.

“Esta (reeleição) reflecte totalmente o alto reconhecimento da comunidade internacional pelo desenvolvimento e progresso da causa dos Direitos Humanos na China e a participação da China na governação global dos direitos humanos”, disse Zhao, em conferência de imprensa.

Grupos de defesa dos Direitos Humanos criticaram a eleição da China, ao lado da Rússia, Cuba, Paquistão e Nepal, citando as violações dos direitos em Hong Kong, Tibete ou Xinjiang, bem como os ataques a defensores dos Direitos Humanos, jornalistas, advogados ou críticos do governo.

Os EUA anunciaram a sua retirada do conselho, em Junho de 2018, em parte porque consideravam o órgão um fórum hipócrita e anti-Israel.

A China foi reeleita com 139 votos, 30% a menos que os 180 obtidos em 2016.

Isto reflecte o “crescente consenso internacional de que o ataque brutal da China aos direitos humanos não pode, e não deve ficar impune”, disse Pema Doma, do grupo de defesa dos Direitos Humanos Estudantes por um Tibete Livre, em comunicado.

A Human Rights Watch conseguiu um apelo sem precedentes de 50 especialistas da ONU, em 26 de junho, por “medidas decisivas para proteger as liberdades fundamentais na China”, e que foi ecoado por mais de 400 grupos da sociedade civil de mais de 60 países.

Inforpress/Lusa/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos