EHTCV quer guias turísticos “melhor preparados” para transmitirem a história da cultura cabo-verdiana

Cidade da Praia, 30 Nov (Inforpress) – A Escola de Hotelaria e Turismo de Cabo Verde (EHTCV) disponibiliza aos guias turísticos a oportunidade de “melhor conhecerem a história e identidade” do povo cabo-verdiano para que a partir dali estejam “melhor preparados” para a transmitir.

A afirmação é do administrador da EHTCV, Fernando Cruz, que falava à imprensa na abertura da primeira jornada dos recursos turísticos culturais cabo-verdianos, que decorre até quinta-feira, 03 de Dezembro, em celebração do Dia Nacional da Morna.

No âmbito do curso de reforço de capacitação de guia de turismo, sob a orientação do formador de História e Cultura Cabo-verdiana, Gil Moreira, os formandos estão a realizar um conjunto de actividades como exposições de recursos turísticos culturais e etnográfico cabo-verdiano, apresentação de uma obra de investigação cultural, exposição de trabalhos de investigação e encenação de uma peça de apanha de espírito.

Com estas actividades, segundo este responsável, estão a dar oportunidade para que os formandos possam conhecer melhor a sua própria cultura.

“Cultura é a alma do povo cabo-verdiano e aquilo que entendemos é dar-lhes oportunidade para que possam ter contacto, sobretudo, com alguns artefactos, algumas histórias, conhecer as experiências de alguns palestrantes e sensibiliza-los mais para que quando forem guiar os turistas possam dar-lhes uma informação correcta”, afirmou.

A ideia, sublinhou, é para que os guias de turistas sejam portadores de “mais conhecimento”, para poderem partilhar com os turistas, tanto nacionais como estrangeiros, tudo aquilo que é a “alma do povo cabo-verdiano”.

“A partir deste momento estão bem preparados para prestar um melhor serviço”, reforçou.

Gil Moreira, formador de História e Cultura cabo-verdianas e mentor da iniciativa, explicou à Inforpress que o objectivo desta primeira jornada é de homenagear a morna, mas também incentivar a investigação na área cultural e formar uma “boa equipa” de guias turísticos, preparada para dar a conhecer, “da melhor forma”, a cultura cabo-verdiana aos visitantes.

“O trabalho está dividido em dois blocos, o etnográfico e cultural, e o bloco artístico. Partimos dos recursos naturais e as transformações na vida social, cultural e histórico do nosso povo”, acentuou.

Durante o dia de hoje foi feita a apresentação da obra de investigação cultural, intitulada “Ritual de apanha de espírito em Santiago de Cabo Verde”, da autoria do antropólogo Arlindo Mendes.

O segundo dia do evento será preenchido com uma aula magna a ser proferida pelo ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, tendo como tema principal “As indústrias culturais e criativas: suporte para o crescimento e emprego”.

No terceiro dia, 03 de Dezembro, Dia Nacional da Morna, é convidado o presidente do Instituto de Património Cultural (IPC), Jair Fernandes, a proferir uma segunda aula magna tendo como tema “Prevenção comum dos recursos culturais e patrimoniais”.

A jornada terminará com a apresentação dos textos da morna em sessões de poesia e canto, e apresentação dos trabalhos de recolha sobre recursos materiais e imateriais em Cabo Verde.

AM/AA
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos