Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Efeméride: Completam-se hoje 20 anos que os Estados Unidos da América foram alvo de ataques suicidas

Por Luís Carvalho, da Agência Inforpress

Cidade da Praia, 11 Set (Inforpress) – Completam-se hoje 20 anos que os Estados Unidos de América foram alvo de ataques suicidas coordenados pela organização fundamentalista islâmica al-Qaeda, tendo provocado milhares de mortes e destruído duas Torres Gêmeas do complexo empresarial do World Trade Center.

O 11 de Setembro de 2001 ficou conhecido como o dia que abalou o mundo. Cabo Verde não ficou indiferente a este acontecimento. Em solidariedade com o povo norte-americano, vítima dos ataques terroristas em Nova Iorque e Washington, o Governo de então, liderado por José Maria Neves, decretou dois dias de luto nacional.

Durante este período, a bandeira esteve a meia haste em todos os edifícios públicos e representações diplomáticas do País no exterior. Os locais de diversão foram, igualmente, fechados.

O então chefe do Governo, numa medida inédita, convocou o Conselho de Segurança cabo-verdiano, que decidiu reforçar a vigília nos locais considerados de maior perigo, nomeadamente instituições diplomáticas, portos e aeroportos do País.

“Cabo Verde é um país seguro, mas tendo em conta a magnitude desta crise vamos ter de ter de tomar medidas duras”, anunciara, na altura, o chefe do executivo, que considerou o referido atentado como um “ataque” à segurança mundial.

Por sua vez, o antigo Presidente da República, Pedro Pires, também manifestara a sua solidariedade para com os norte-americanos. Na mensagem enviada ao seu homólogo Georges W. Bush, manifestou-se “profundamente chocado” com o acontecido.

Os partidos políticos cabo-verdianos, as organizações não-governamentais também não ficaram indiferentes aos ataques terroristas nos EUA.

No complexo empresarial de World Trade Center (WTC), de Nova Iorque, que foi atingido por um dos Boeings utilizados no ataque, trabalhavam alguns cabo-verdianos, que ficaram feridos, mas fora de perigo.

Os dois aparelhos utilizados no ataque ao WTC partiram do aeroporto de Boston, cidade do estado de Massachusetts onde existe uma grande comunidade cabo-verdiana e, daí, alguma apreensão de que poderia haver crioulos a bordo. No entanto, não se confirmou esta presença.

Ao todo, foram 19 terroristas que na manhã do dia 11 de Setembro sequestraram quatro aviões comerciais de passageiros.

Os terroristas colidiram intencionalmente com dois dos aviões contra as Torres Gêmeas do WTC, matando todos que se encontravam a bordo e muitas das pessoas que trabalhavam nos edifícios.

Duas horas depois, ambos os edifícios desmoronaram atingindo edifícios vizinhos. O terceiro avião colidiu contra o Pentágono, a sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, no Condado de Arlington, Virgínia, nos arredores de Washington, D.C.

O quarto avião caiu num campo aberto próximo de Shanksville, na Pensilvânia, depois de alguns de seus passageiros e tripulantes terem tentado retomar o controle da aeronave dos sequestradores, que a tinham reencaminhado na direcção da capital norte-americana.

Numa comunicação ao país, Georges W. Bush reiterou que a América permanecia “unida e determinada” na luta contra o terrorismo.

“O nosso país é forte e todos estamos mobilizados para combater estes actos”, que não afectarão “a base da nossa nação nem a nossa determinação”, admitira o Presidente dos EUA.

LC/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos