Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Dona do Pegasus nega acusações de espionagem a jornalistas e activistas

Jerusalém, 19 Jul (Inforpress) – O grupo israelita NSO considerou hoje “fraca” a investigação que envolve o seu ‘software’ em casos de espionagem a ativistas, jornalistas, políticos e outras personalidades importantes, publicada no domingo por um consórcio internacional de órgãos de comunicação social.

A investigação, publicada por 17 títulos da imprensa, incluindo o jornal francês Le Monde, o britânico Guardian e o norte-americano The Washington Post, baseia-se numa lista obtida pelas organizações Forbidden Stories e Amnistia Internacional, que incluem 50.000 números de telefone seleccionados pelos clientes da NSO desde 2016 para potencial vigilância.

Questionado pela agência espanhola de notícias Efe sobre que governos compraram o ‘software’, um porta-voz da empresa remeteu para o comunicado oficial, divulgado no domingo, em que o grupo NSO nega as informações.

Segundo a investigação, pelo menos 37 contactos, de uma lista de 50.000 telemóveis, foram infiltrados pelo programa de ‘software’, envolvendo jornalistas, ativistas dos direitos humanos e políticos de países como o México, Índia, Hungria e Marrocos.

Outros mil contactos foram também identificados, entre eles, 65 altos funcionários de empresas, 85 activistas dos direitos humanos, 189 jornalistas e mais de 600 políticos, incluindo chefes de Estado e de Governo.

“Os directores decidiram avançar com a divulgação das notícias, mesmos depois de se ter tornado claro que as fontes não identificadas os enganaram, provavelmente de forma intencional”, escreveu no comunicado de domingo o grupo NSO.

O The Washington Post e outros meios de comunicação não conseguiram descobrir exatamente qual era o objetivo da lista de 50.000 nomes, ou mesmo a sua origem, nem quantos foram visados.

A empresa israelita já foi denunciada em ocasiões anteriores por vender ‘spyware’ a países com défice democrático e alguns deputados israelitas tentaram, em 2016, proibir legalmente as licenças de exportação ao grupo NSO. 

Em 2019, o Pegasus foi acusado de facilitar a espionagem de 1.400 pessoas, incluindo vários políticos catalães, aproveitando a vulnerabilidade do WhatsApp para se infiltrar nos telemóveis.

“Renovamos as nossas declarações anteriores de que os nossos produtos, vendidos a governos estrangeiros controlados, não podem ser usados para vigilância cibernética”, indicou hoje a empresa.

Os governos ou agências de segurança que usaram o Pegasus para se infiltrar nos telefones de jornalistas, activistas e outros políticos, terão violado a licença de utilização criada pelo grupo NSO.

Nesse sentido, a empresa israelita garantiu que irá continuar a “investigar todas as denúncias credíveis de utilização indevida e tomará as medidas adequadas com base nos resultados dessas investigações”, incluindo “desligar o sistema de um cliente”. 

O Pegasus foi projectado para perseguir criminosos e terroristas e está restrito a um número limitado de governos e agências governamentais.

“O grupo NSO tem a missão de salvar vidas e a empresa executará fielmente essa missão sem vacilar, apesar de todas as tentativas para a desacreditar por motivos falsos”, referiu.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos