Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Doentes renais em tratamento de diálise dizem não ter suporte de serviços de protecção social

Cidade da Praia, 14 Mar (Inforpress) – Os doentes renais em tratamento de diálise no Hospital Dr. Agostinho Neto, na Praia, afirmaram hoje que não contam com nenhum suporte de nenhum serviço de protecção social a não ser dos familiares.

Esta afirmação foi feita pelos doentes em declarações à Inforpress, no âmbito do Dia Mundial do Rim, que este ano é assinalado sobre o tema “Saúde dos Rins para Todos”.

“A principal fonte de apoio é a minha família, os amigos e os vizinhos. A maior parte dos doentes com insuficiência renal crónica depende exclusivamente de si e não conta com suporte de nenhum serviço de protecção social”, disse Luís (nome fictício).

Conforme Luís, muitos dos doentes para estarem a fazer hemodiálise têm de deixar de trabalhar, pois, é difícil e, por isso, passam por muita vulnerabilidade social.

“Já estou há três anos a fazer diálise, três vezes por semana, e o estado da doença varia todos os dias. Dizem que não podemos trabalhar, mas eu, por exemplo, tenho de trabalhar, pois, tenho quatro filhos para sustentar e mandar à escola”, realçou.

Ainda segundo a mesma fonte, muitos passam por fragilidade psico-social, pois, as exigências do tratamento dificultam e tornam vulnerável o doente que está a receber tratamento.

Já Maria (fictício), com dois anos em tratamento, revelou que no início foi mais difícil, mas agora, segundo disse, a situação melhorou.

“No meu caso, como não sou segurada o meu maior problema é a compra de medicamentos. Quase mensalmente tenho de gastar à volta de sete mil escudos com medicamento para além de pagar o transporte para deslocação”, frisou.

Com um tratamento complexo para fazer durante anos, Maria sonha com o dia em que o país começar a fazer cirurgias de transplante para que possa conseguir um doador e viver melhor.

Em Cabo Verde, segundo dados relativos ao aumento do número de casos, cerca de 30 pacientes entram em falência renal.

PC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos