Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Djodje assinala 20 anos de carreira com álbum “Mininu di Oru” hoje editado

Lisboa, 18 Nov (Inforpress) – O músico cabo-verdiano Djodje, radicado em Portugal, celebra 20 anos de carreira com “Mininu di Oru”, álbum disponibilizado hoje nas plataformas digitais e no qual a pop se mistura com elementos da música tradicional de Cabo Verde.

Djodje sempre “teve o sonho de fazer um ‘wrting camp’, juntar vários compositores e produtores para a produção de um álbum”, e esse sonho cumpriu-se com “Minino di Oru”, contou o músico, em declarações à Lusa.

“Fomos para a Cidade Velha [na Ilha de Santiago], o berço da nação cabo-verdiana, onde estivemos dez dias numa casa e criámos 60 a 80% do disco”, recordou.

No álbum, disse, “sente-se muito a incorporação das raízes e da cultura cabo-verdiana”. “Bebemos muito do ambiente onde estávamos e conseguimos incorporar muito do que é a música tradicional à cena mais pop que eu faço, então esse ‘writing camp’ foi crucial para o que é o ‘Mininu di Oru’”, referiu.

Composto por 14 temas, o álbum conta com uma série de convidados com quem Djodje trabalhou pela primeira vez – Deejay Telio, Julinho KSD, Emicida, Princezito, Manecas Costa, Syro e Irina Barros.

Com “Mininu di Oru”, o cantor cabo-verdiano, radicado em Portugal desde 2007, assinala os 20 anos de uma carreira iniciada “muito cedo”, aos 12 anos, quando lançou a primeira música, com o grupo TC.

O título do álbum é uma espécie de alcunha que lhe foi dada em Cabo Verde. “Sempre fui muito acarinhado pelo povo cabo-verdiano e muita gente me deu esse título de ‘menino de ouro’, por me terem visto desde muito cedo. É como se tivessem adotado uma criança e acompanhado o processo todo de crescimento”, contou.

Djodje sente esse título como “um depósito de confiança”. “Uma responsabilidade que eu, enquanto músico e artista cabo-verdiano, tenho em elevar a nossa cultura e levar a nossa música o mais longe possível. Assumo um bocado esse título como algo que me dá uma certa responsabilidade, em que eu digo ‘eu tenho mesmo que ser esse menino de ouro’ para o meu povo, para o meu país”, disse.

O cantor conta levar “Mininu di Oru” aos palcos em 2022, numa digressão que irá incluir Portugal, Cabo Verde, EUA, Holanda, França, Angola Moçambique.

“A ideia é levar o disco e a ‘tour’ ao máximo de países possível, onde haja comunidade lusófona e não só”, referiu.
Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos