Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Dirigente da Pró-Praia defende legalização da produção e venda condicionada de canábis e divisas

Cidade da Praia, 18 Dez (Inforpress) – O presidente da Pró-Praia, José Jorge de Pina, propõe que as autoridades nacionais coloquem em pauta “de certa urgência” um estudo com vista a legalizar a produção e consumo condicionado de canábis e da venda de divisas.

Este posicionamento foi assumido numa missiva enviada à Inforpress, onde José Jorge Pina sugere, entretanto, a formalização dos indivíduos com condições para legais e financeiros para o efeito.

Na mesma carta, o signatário afirma que tem ocorrido, nos últimos dias, “uma activação mais consistente” de campanhas e medidas de proibição da venda de divisas por indivíduos não autorizados legalmente por autoridades competentes.

Com igual acuidade, disse, vem-se discutindo a hipótese de legalizar a produção e consumo condicionados de canábis.

A legalização irá, segundo defendeu José Jorge Pina, potenciar “enormes ganhos” em termos de emprego, de produção de matéria-prima para a indústria medicinal e de rendimento de vastas famílias nos espaços urbanos e rurais, “dificilmente colmatáveis por programas económicos alternativos do governo e municípios”.

Na mesma missiva, o presidente da Pró-Praia escreveu julgar que os objectivos de maior controlo às actividades em questão foram já atingidos por países que o impuseram e confirmaram-se as vantagens apontadas no momento das ponderações efectuadas para se avançar com o processo.

“Vi em Abuja e em Dacar quiosques oficiais a processarem venda (legal) de divisas e não creio que essas actividades tenham sido descontinuadas”, continuou José Jorge de Pina, acrescentando que, se o papel do Estado no que diz respeito a divisas é ter o controlo da massa monetária em divisas transaccionadas no país e a contrafacção, não crê que a legalização virá impedir esse controlo.

De igual modo, defendeu a mesma fonte que o condicionamento de produção, venda e consumo de canábis proporcionará ao Estado “melhores garantias” de controlo dessa actividade, folgando boa parte de dispendiosos esforços dos departamentos de justiça e da polícia na governação do tráfego actual dessa droga leve em Cabo Verde.

“Os ganhos económicos que o Estado extrairá, via impostos, servirão para complementar dispêndios da saúde, justiça, desporto e doutras actividades com escassos fundos para funcionar”, defendeu.

Finalizando, José Jorge de Pina apelou a todos para que, de “mente aberta”, se abram a mais essa “janela de oportunidades” que, disse, “ancorará a modernização e a redinamização das actividades económicas (turismo, finanças, comércio, dentre outros) em curso no arquipélago”.

GSF/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos