Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Direcção Nacional da Saúde desaconselha participação de doentes com covid-19 nas eleições (c/áudio)

Cidade da Praia, 26 Fev (Inforpress) –  O director Nacional da Saúde, Jorge Noel Barreto, disse hoje que a autoridade sanitária não recomenda que uma pessoa com covid-19 saia para ir votar, pois estará a colocar em risco outras pessoas.

Na manhã de hoje, a presidente da Comissão Nacional das Eleições (CNE), Maria do Rosário, voltou a apelar aos parlamentares e aos partidos políticos para criarem medidas legislativas para que os eleitores que estiverem no dia das eleições contaminados com o vírus e que estejam numa situação de isolamento pudessem votar.

Entretanto, à semelhança das eleições autárquicas de 25 de Outubro em que as pessoas com covid-19 foram excluídas do processo eleitoral, para as eleições legislativas de 18 de Abril a Direcção Nacional da Saúde mantém a mesma posição.

O director Nacional da Saúde, que falava à imprensa, à margem do seminário “Eleições em contexto da pandemia: o desafio da participação democrática e a segurança sanitária”, disse que as pessoas com diagnóstico positivo devem permanecer no isolamento, quer em casa ou numa instituição de saúde.

“Não se recomenda que essa pessoa saia do isolamento para qualquer actividade, portanto, infelizmente, a nossa recomendação é para que essas pessoas não saiam para ir votar, porque estão a colocar em risco outras pessoas”, manifestou.

Conforme afirmou, “o risco existirá sempre”, isto porque as medidas de prevenção que são adoptadas no processo eleitoral “servem apenas para evitar ou para reduzir, ao máximo possível, o risco de propagação da infecção”.

“Infelizmente, são os tempos que nós vivemos e que teremos que ter muita cautela para que a situação epidemiológica não piore”, rematou.

Falando da situação epidemiológica do País, Jorge Noel Barreto, considerou que a tendência, neste momento, é de uma “certa estabilização”, até mesmo “com indícios de diminuição de casos“.

Contudo, advertiu, esta estabilização pode alterar-se a qualquer momento, isto porque depende de vários factores, como comportamento das pessoas e da capacidade das instituições em gerir essa situação.

“Esperemos que a situação se mantenha estável para que o período de campanha eleitoral decorra da melhor forma possível e também para que não venhamos a ter consequência de má adopção ou a não adopção das medidas de prevenção durante o período da campanha eleitoral e também durante o dia da eleição”, declarou.

Neste sentido, a autoridade sanitária volta a recomendar todas as medidas anunciadas aquando das eleições autárquicas de 25 de Outubro, com destaque para o reforço da sensibilização da população no período antes e durante a campanha eleitoral.

“Na altura da campanha eleitoral os partidos políticos vão ter mais uma vez uma grande responsabilidade, tanto na forma como vão fazer essa campanha, evitando às máximas situações que possam facilitar a propagação do vírus, mas também sensibilizando sempre os seus eleitores e os simpatizantes no sentido de cumprirem as medidas para que tudo possa correr bem”, informou.

No dia das eleições, Jorge Noel Barreto lembrou que as assembleias de votos têm que ter todas as condições necessárias para evitar a propagação do vírus, mas também os eleitores devem cumprir todas as medidas preconizadas pelas autoridades sanitárias.

AM/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos