Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Direcção da Polícia Nacional diz que os seus agentes organizaram “manifestações públicas ilegais”

Cidade da Praia, 19 Jul (Inforpress) – A Direção da Polícia Nacional (PN) explicou hoje em comunicado, que a punição aos agentes policiais se deve ao facto de organizarem “manifestações públicas ilegais” sem comunicação prévia às câmaras municipais e à PN, como exige a lei em vigor no país.

“Incentivaram os participantes a ocuparem as vias públicas ilegalmente, criando perturbações e impedindo ou dificultando a livre circulação de pessoas e veículos”, lê-se no comunicado a que a Inforpress teve acesso.

Segundo a nota, os policiais castigados “instigaram o desrespeito à requisição civil e à desobediência pública” e “violaram o artigo 15º da lei de reunião e manifestações, que proíbe o porte de armas durante as manifestações”.

O documento da Polícia Nacional diz que os policiais manifestantes “não fizeram a recolha prévia” das suas armas e, muito menos, procederam ao seu depósito junto das entidades competentes.

“Dirigiram insultos aos colegas de profissão, pessoal policial da PN, chamando-lhes de “camalhão e bajuladores de chefes”, junto à sede do Comando Regional de Santiago Sul e Maio e à sede do Comando da Policia Marítima”, acrescenta o comunicado.

Ainda de acordo com o documento, os manifestantes dirigiram-se às instalações da RTC (Rádio Televisão Cabo-verdiana), “proferindo insultos aos seus profissionais e colaboradores”, com “palavras ofensivas, tais como: “abaixo jornalistas corruptos”, “RTC é um lixo”, “RTC é manipulado” e “Televisão de merda”.

O comunicado sublinha que o presidente do Sinapol (Sindicato Nacional da Polícia) é oficial da PN, “o mais graduado de entre todos os manifestantes, sabia que tal conduta é contrária à lei e aos regulamentos internos da Polícia Nacional”.

“Os policiais não estão acima da lei”, conclui o comunicado, acrescentando que durante as manifestações os agentes “invadiram” a rua que dá acesso à Presidência da República, “formando tumultuo junto à entrada daquele órgão de soberania e posicionando-se a menos de dois metros do militar/sentinela armado”.

LC/FP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos