Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Diploma que institui o Sistema Nacional de Farmacovigilância entra em vigor

Cidade da Praia, 18 Abr (Inforpress) – O diploma que institui o Sistema Nacional de Farmacovigilância (SNF) bem como as regras da sua organização e funcionamento entra hoje em vigor, confirmou a Agência de Regulação e Supervisão dos Produtos Farmacêuticos e Alimentares (ARFA).

O diploma foi aprovado em Conselho de Ministros no dia 16 de Fevereiro e publicado através do decreto-lei nº 17/2017 (B.O. nº 19/2017, I Série, de 17 de Abril.

Numa entrevista a Inforpress, a presidente da ARFA, Djamila Reis, considerou que na fase de desenvolvimento em que Cabo Verde se encontra “é urgente sistematizar e organizar um sistema de vigilância nas áreas de qualidade e segurança” de medicamentos e produtos farmacêuticos.

Djamila Reis defendeu, ainda que o sistema Nacional de farmacovigilância deve ser sentido como sendo da responsabilidade de todos e que a sua criação passa pela motivação e capacidade de cooperar e de articular diferentes intervenientes.

Para Djamila Reis, “é fundamental que a população tenha medicamentos, em circuitos legais, com vista a evitar outros riscos de saúde, porque os medicamentos adquiridos juntos de locais impróprios, como mercados informais não oferecem garantia para a cura de um paciente”.

O sistema de farmacovigilância, lê-se num comunicado da ARFA “é uma peça fundamental” para a monitorização da qualidade, segurança e eficácia dos medicamentos na fase de pós-comercialização.

Desde 2009, a ARFA, com a colaboração de diversos parceiros, vem desenvolvendo um conjunto de actividades no sentido de testar a implementação de um sistema de farmacovigilância que se adeqúe às necessidades de Cabo Verde.

Anota-se em particular a realização de um seminário sobre a importância da Farmacovigilância para o profissional de saúde em outubro de 2011.

A farmacovigilância tem como principais objectivos: identificar reacções adversas medicamentosas e problemas relacionados com medicamentos, identificar seus riscos, estabelecer medidas regulatórias e informar tanto os profissionais de saúde como o público em geral.

De outra forma, pretende-se com a farmacovigilância “maximizar o benefício e minimizar o risco”.

A ARFA entidade responsável pelo funcionamento do Centro Nacional de Farmacovigilância,  submeteu a proposta de diploma para aprovação após consulta dirigida aos órgãos competentes do Ministério da Saúde e Segurança Social, representantes dos profissionais de saúde, aos operadores económicos do sector e representantes dos consumidores.

JL/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos