Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Diocese de Santiago quer preservar o “aspecto sagrado” do lugar onde João Paulo II rezou missa campal (c/áudio)

Cidade da Praia, 26 Jan (Inforpress) – A Diocese de Santiago quer preservar o “aspecto sagrado” do espaço de Quebra Canela, onde o Papa João Paulo II celebrou, há 29 anos, uma missa campal, criando ali um santuário, revelou o bispo Dom Arlindo Furtado.

Segundo o prelado, o futuro santuário será de pequena dimensão, porque o terreno “disponível não é muito grande”, mas é “interessante e simbolicamente histórico”.

“Queremos que a própria estrutura que se irá montar possa garantir a sustentabilidade do funcionamento do próprio santuário”, precisou o responsável da Diocese de Santiago, acrescentando que se está na fase de concepção sobre que tipo de projecto para combinar, por um lado, a ideia do santuário e, por outro, a ideia de algum desenvolvimento turístico ou de algo que seja compatível com o “espírito de um lugar sagrado” para ajudar na auto sustentabilidade do próprio complexo.

Em declarações exclusivas à Inforpress, para assinalar o 29º aniversário da visita do Papa João Paulo II, reconhece que a Igreja sozinha não dispõe de recursos para o projecto do santuário de Quebra Canela.

“Temos que nos aliar, este é nosso desejo, algum parceiro que esteja interessado a entrar neste tipo de diálogo connosco para vermos como que, em conjunto, possamos fazer algo que seja de preservação do aspecto sagrado daquele lugar”, indicou o bispo de Santiago, para quem o espaço onde João Paulo II rezou a missa, por ocasião da sua visita pastoral a Cabo Verde,  está “muito bem situado”, pelo que numa dimensão turística pode ter um “interesse particular”.

O Sumo Pontífice visitara Cabo Verde durante os dias 25, 26 e 27 de Janeiro de 1990, e esteve na ilha do Sal, e nas cidades da Praia e do Mindelo e, naquela que seria a primeira e única visita de um Papa ao arquipélago.

Num dos seus discursos proferidos na cidade da Praia, João Paulo II desejara aos cabo-verdianos um “desenvolvimento autêntico” e uma solidariedade que levasse à fraternidade “assentes nos direitos e liberdades fundamentais inseparáveis da dignidade do homem”.

Um ano depois da visita dele, deu-se a abertura política no país, tendo sido realizadas as primeiras eleições democráticas e multipartidárias.

LC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos