Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Dinâmica da organização de eventos tem evoluído muito bem em Cabo Verde – Produtor

Cidade da Praia, 23 Fev (Inforpress) – O produtor Gilson Lima disse hoje, em declarações à Inforpress, que a dinâmica da organização de eventos tem evoluído “muito bem” em Cabo Verde, não obstante “algumas birras” criadas por pessoas internas de algumas instituições.

“A dinâmica dos eventos em Cabo Verde tem evoluído muito bem”, disse o também responsável pela empresa de organização de eventos BruGil, afirmando que as empresas que actuam no ramo estão a ganhar o “know-how”, indo lá para fora beber no mercado externo coisas novas e tentar adaptar à realidade cabo-verdiana, o que “é muito bom” e tem “dado frutos”.

Entretanto, afirmou a mesma fonte que “há alguns pequenos problemas”, mas que, no cômputo geral, acredita que todos estão num “bom caminho”.

“Eu acredito que as instituições estão voltadas todas para a dinâmica, paras as coisas acontecerem, mas muitas vezes, há pessoas internas dentro dessas mesmas instituições que muitas vezes tendem a criar birras. Eu acredito que é essa parte que torna as coisas mais difíceis”, ajuntou.

Sobre a questão do consumo do exagerado do álcool, em que muitas figuras da sociedade civil apontam o dedo aos organizadores de evento, Gilson Lima disse achar o tema “muito sensível”.

“O álcool em Cabo Verde está nas famílias, perto das escolas, perto das casas”, continuou aquele produtor, para quem a solução não passa por culpar os eventos por este fenómeno, uma vez que se está a falar de “uma coisa muito acessível” no país.

Por isso, defendeu que há que ter um pensamento “muito mais alargado” e abordar a questão de uma “forma transversal”, com o envolvimento de toda a sociedade.

“Se viermos associar exclusivamente os eventos, à noite, ao álcool, é muito complicado”, ajuntou a mesma fonte, referindo que de manhã, à porta das escolas, está-se a vender garrafinhas sem que as autoridades façam nada.

Para Gilson Lima, está-se perante “um problema sério” que exige “muito cuidado”.

“Nós também, organizadores de eventos, temos sempre este cuidado de fazer o controlo de menores, de vidro e de tudo enquanto”, assegurou Gilson Lima, para quem este controlo fará com que as pessoas se divirtam na tranquilidade.

GSF/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos