Search
Generic filters
Filter by Categories
Ambiente
Cooperação
Cultura
Economia
Internacional
Desporto
Politica
Sociedade

Dia Mundial da Alimentação: Ministro pede envolvimento de todos no combate à insegurança alimentar

Assomada, 16 Out (Inforpress) – O ministro da Saúde e Segurança Social enalteceu hoje os ganhos registados em matéria da segurança alimentar e nutricional, lembrando, entretanto, que o combate à insegurança alimentar exige o envolvimento de todos e de forma articulada.

Arlindo do Rosário falava em representação do Governo na abertura da conferência para assinalar o Dia Mundial da Alimentação, celebrado hoje, sob o lema “Nossas acções representam o futuro. Dietas saudáveis para um mundo de #Fome Zero”.

O evento, cujas actividades decorreram nas instalações da Universidade de Santiago (US), em Assomada, no concelho de Santa Catarina (Santiago), foi realizado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO em Cabo Verde) em parceria com o Ministério da Agricultura e Ambiente.

“Segurança alimentar e nutricional é uma responsabilidade de todos (…) e exige o envolvimento de todos os sectores e abordagens específicas a cada ilha e a cada conselho. Por isso, estou convicto de que com o engajamento de todos e de uma forma articulada e concertada implementando as medidas e estratégias para o combate a insegurança alimentar, conseguiremos ultrapassar os desafios de Cabo Verde e alcançar os objectivos de uma melhor nutrição, e, mais do que tudo, uma alimentação saudável para a nossa população”, vaticinou.

Um inquérito nacional sobre a vulnerabilidade alimentar e nutricional das famílias de 2018 revela que mais de 50 por cento (%) dos agregados familiares inquiridos têm como padrão de consumo a ingestão de alimentos pertencentes aos grupos de cereais, óleos e gorduras e especiarias, e que quanto à qualidade da dieta familiar que 57% têm a diversidade de uma dieta moderada e que apenas um terço consumiu regularmente alimentos pertencentes ao grupo de frutas e vegetais.

Já quanto ao estado nutricional, o mesmo estudo diz que 11% dos menores de 5 anos apresentam um quadro de desnutrição crónica, 4,4% desnutrição aguda, 5% com insuficiência ponderada e que 6% das crianças já têm o estado de obesidade.

Tais dados, no entender do governante, significa que se está diante de deficiências nutricionais, de sobrepeso, sobretudo na camada juvenil e que requer o envolvimento de todos.

Arlindo do Rosário reconheceu que ainda há desafios por vencer, mas reiterou que o país tem registado “progressivos ganhos” em matéria da segurança alimentar e nutricional.

De entre os ganhos apontou a consolidação da rede da segurança alimentar e nutricional, da aprovação do direito humano à alimentação adequada, a criação da entidade reguladora da Saúde, a lei do programa nacional alimentação e saúde escolar, a integração da educação alimentar e nutricional no plano de acção da alimentação e nutrição, a existência de um estoque de segurança alimentar estável, entre outras medidas.

“Tais ganhos têm já a tradução na diminuição no atraso de crescimento, na redução da prevalência de anemia, na diminuição da mortalidade infantil e na prevalência das doenças transmitidas através da agua e alimentos contraminados”, congratulou-se o governante.

Por sua vez, a representante residente da FAO-CV, Ana Touza, lembrou que a erradicação da fome é uma prioridade absoluta daquela organização internacional, que a seu ver, também precisa abordar toda as formas de desnutrição.

É que, segundo ela, os dados mais recentes apontam que a desnutrição está aumentando em todas as regiões, extratos socais e económicos.

“O Dia Mundial da Alimentação de 2019 convida-nos a agir para que todos possam beneficiar de uma alimentação saudável e sustentável. Para isso, as parcerias são fundamentais entre agricultores, governos, investigadores, sector privado e consumidores que têm um papel a desempenhar”, lançou aquela responsável.

Por outro lado, Ana Touza assegurou que a FAO vai apoiar todos os países membros nos seus esforços para que a dieta saudável seja uma realidade para todos e ainda reforçar as suas capacidades para que possam avaliar e monitorizar a situação nutricional após a transferência de conhecimento que fornecem normas alimentares.

Paralelamente a conferência, dividida em dois painéis: “produção primária sustentável em Cabo Verde: que desafios?” e o “padrão alimentar dos cabo-verdianos/terão os cabo-verdianos um regime alimentar sustentável?” foi realizada uma feira sob lema “O que se pode fazer para se ter um regime alimentar sustentável?”.

O Dia Mundial da Alimentação marca também o 74º aniversário da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, que foi criada a 16 de Outubro de 1945.

FM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos