Dia do município/Brava: Resolução do problema de água e ligações marítimas regulares entre as perspectivas para 2023 (c/áudio)

Nova Sintra, 22 Jun (Inforpress) – O presidente da Câmara Municipal da Brava, Francisco Tavares, anunciou hoje que para 2023 as perspectivas são “boas” tendo como foco a resolução dos principais “calcanhares de Aquiles” no desenvolvimento da ilha.

Em entrevista à Inforpress, no âmbito de mais um ano do Município da Brava, que se comemora em 24 de Junho, Francisco Tavares informou que já há luz ao fundo do túnel que permita a resolução dos principais problemas estruturais da ilha, nomeadamente o problema de água, ligações marítimas regulares e melhorias na área da saúde.

Segundo a mesma fonte, a ilha tem visto e acompanhado a realização de obras “importantes”, indicando a requalificação do Centro Histórico de Nova Sintra, cujas obras se encontram na fase final, os trabalhos da estrada de ligação Nova Sintra – Nossa Senhora do Monte, cuja conclusão está prevista para o final desse mês, e as intervenções para a segurança na estrada de acesso à Fajã d´Água, com previsão de término para final de Julho, mas, conhecendo a realidade da Brava aponta-se para finais de Agosto.

Mas também ressaltou que os munícipes presenciaram e estão a acompanhar o início e o desenrolar das obras da estrada de acesso à unidade dessalinizadora da localidade de Forte e que a perspectiva é ter água dessalinizada em Junho de 2023, mas como todos os processos implicam construções e importações para a Brava, o autarca relembrou que tudo demora mais tempo, apontando assim final do ano 2023 como a meta para a resolução definitiva do problema de água.

A unidade dessalinizadora vai ter a capacidade de produzir cerca de 500 metros cúbicos de água por dia, quantidade considerada “suficiente” para o consumo da população da Brava.

Este vai ser um sistema híbrido que utiliza não só a energia convencional, mas também e, acima de tudo, a energia solar, uma vez que a mesma vai ter uma unidade fotovoltaica, indo ao encontro do conceito “Brava ilha sustentável”.

Igualmente, o edil anunciou que em 2023 a Brava vai ganhar uma nova Delegacia de Saúde, construída de raiz, e que segundo a mesma fonte vai dar resposta a um outro problema “estrutural” da Brava.

Os equipamentos já se encontram na ilha, as parcerias e protocolos assinados com o projecto Health CV e a vinda de outros especialistas emigrantes vão, segundo o autarca, acabar por “resolver e dar mais segurança à população residente e aos turistas na questão da saúde”.

Da mesma forma, Francisco Tavares anunciou que já existe uma iniciativa de um privado para investir na linha de ligação marítima Brava – Fogo – Brava diariamente, o que vai resolver um outro problema da ilha, realçando que o processo está devidamente encaminhado e já é do conhecimento do ministério, estando a aguardar nos próximos dias a chegada da embarcação ao país para depois ser submetida a vistoria e todo o processo, com a expectativa de que pode entrar em funcionamento ainda este ano.

“Neste sentido falávamos numa revolução total, porque é uma embarcação com capacidade para 53 passageiros sentados no interior, tem camarote, com mais 60 passageiros também sentados na parte exterior, e seria uma embarcação que transmitia segurança de ligação para o Fogo diariamente nos horários que os passageiros vão apanhar o voo ou que estão a chegar ao Fogo com destino à ilha Brava, como também vai servir como ambulância para casos de emergências e evacuações médicas”, salientou.

“Estou bastante optimista que o ano 2023 vai ser um ano onde estas três áreas que são as áreas estruturalmente críticas para a Brava tenham uma melhoria significativa e a câmara municipal vai continuar dentro das suas funções a realizar o seu trabalho”, finalizou o autarca, destacando que assim é possível ter um turismo em maior número, criação de mais emprego e fixação da juventude na ilha.

MC/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos