Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

DGAPE “preocupada” com organização logística das eleições legislativas na diáspora

Cidade da Praia, 03 Dez (Inforpress) – A directora-geral de Apoio ao Processo Eleitoral mostrou-se hoje “preocupada” com a organização logística das eleições legislativas na diáspora, devido a pandemia da covid-19, cogitando a possibilidade de a votação ser realizada apenas nas embaixadas e nos postos consulares.

Arlinda Chantre expressou essa preocupação em declarações à imprensa, após ser recebida em audiência pelo Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, para abordar o planeamento e demais acções para as próximas eleições legislativas.

Segundo esta responsável da DGAPE, neste momento, o principal condicionalismo das legislativas tem a ver com a organização logística do processo eleitoral na diáspora, garantindo, no entanto, que a nível nacional estarão criadas todas as condições para a realização das eleições.

“Nós sabemos que neste momento, em vários países, a situação da covid-19 está a agravar-se (…), esperamos  que a situação  melhore. No entanto, existem condicionantes que nos preocupam, têm a ver, por exemplo, com a capacidade de fazermos chegar o material a todos os países onde está a nossa diáspora e onde nós realizamos as eleições, em tempo útil”, afirmou.

Arlinda Chantre asseverou, neste sentido, que tendo em conta o actual contexto de pandemia, o processo de votação pelos eleitores residentes na diáspora será realizado apenas nas embaixadas e nos postos consulares, o que “poderá limitar o processo eleitoral”.

“Cabo Verde tem a possibilidade de constituir assembleias de voto em vários pontos de qualquer país a excepção de dois estados, que têm regras bastante específicas quanto a realização das eleições em que as mesmas só podem ser realizadas nas embaixadas e nos postos consulares o que terá um impacto de diminuição considerável do número de votantes já que a nossa diáspora é muito grande”, afirmou.

Questionada sobre o número de cabo-verdianos que poderão ficar afectados, Arlinda Chantre disse que tudo vai depender do momento em que forem marcadas as eleições e, como a situação da pandemia evoluir nos próximos meses, adiantando, por outro lado, que existem cerca de  40 mil cabo-verdianos inscritos em todo o estrangeiro.

CM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos