Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Desflorestação da Amazónia brasileira bate recorde em Outubro

São Paulo, 15 Nov (Inforpress) – A Amazónia brasileira perdeu 877 quilómetros quadrados de floresta em Outubro, destruição 5% maior do que os registos obtidos no mesmo mês de 2020, informou hoje o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

De acordo com os dados registados mensalmente pelo Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real da Amazónia Legal (Deter) do INPE, que monitora o bioma através de satélites, foi a maior área devastada no mês de Outubro desde 2016.

O recorde anterior para Outubro havia sido registado em 2020, com 836 quilómetros quadrados de floresta destruída.

Dados oficiais também indicam que a destruição da Amazónia brasileira no mês passado foi menor do que em Setembro, quando mais de 984 quilómetros quadrados de vegetação nativa foram devastados na área.

A metodologia utilizada pelo Deter é baseada em imagens de satélite do INPE para alertar antecipadamente sobre as áreas que estão sendo destruídas.

No total, foram 4.519 avisos de desflorestação enviados pelo sistema em Outubro.

A desflorestação da Amazónia brasileira acumula cerca de 8.000 quilómetros quadrados nos primeiros 10 meses do ano e está próximo ao valor de 2020, quando 10.900 quilómetros quadrados de vegetação nativa foram cortados na floresta, o maior índice em 12 anos.

Os números divulgados hoje contradizem o discurso do Governo brasileiro na 26.ª Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26), onde representantes do país afirmaram que as taxas de destruição da floresta vêm caindo devido à intensificação das acções de controlo e fiscalização para conter a devastação florestal.

O ministro do Meio Ambiente do Brasil, Joaquim Leite, garantiu na quarta-feira, em Glasgow, que o Brasil eliminará o “desflorestamento ilegal” até 2028 e que reduzirá em 50% a emissão de gases de efeito estufa até 2030.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos