Deputado do MPD defende articulação com poder local para melhorar reciclagem do plástico

Cidade da Praia, 04 Mai (Inforpress) – O deputado do MpD Luís Carlos Silva defendeu hoje a necessidade de um envolvimento do poder local para se melhorar a reciclagem do plástico, bem como melhorias na legislação para que possa haver maior “profundidade” no tratamento deste material.

Luís Carlos Silva fez estas declarações à Inforpress, após uma visita a São Francisco, para se inteirar do projecto “Eco-natura”, que trabalha no sector da reciclagem e protecção do ambiente, no qual o deputado disse estar “verdadeiramente impressionado”.

“Estive verdadeiramente impressionado com o trabalho que eles estão a fazer, particularmente, a visão e a ideia que eles têm, uma ideia que acho que se reabilitar, poderá ter um efeito muito relevante no tratamento de parte do nosso lixo, particularmente no tratamento de plástico e vidro”, disse.

Segundo afirmou, se todo o sistema se articular e trabalhar de forma coordenada, pode se ter ali um projecto “muito interessante”, que faz a recolha e o tratamento do lixo e produz utensílios e materiais “que são úteis”.

“É preciso que o sistema esteja articulado e as instituições falarem entre si e os diferentes poderes. Por exemplo, eu vejo a câmara municipal, tem um papel muito importante neste processo, nas recolhas. A câmara municipal pode organizar uma recolha selectiva e permitir que este projecto aceda a parte desta recolha, particularmente o lixo de vidro e depois eles darão o tratamento”, frisou.

Neste sentido, considerou que a Câmara Municipal da Praia pode ainda contribuir para dar vazão aos produtos reciclados, contribuindo assim para aumentar a capacidade de produção.

“Vasos ornamentais que podem ser colocados nas avenidas e nas nossas ruas, podem também utilizar o pavês que eles produzem ou, particularmente os blocos, é claro que eles não têm uma capacidade de produção significativa, mas eles dizem que podem ter uma capacidade de produção se tiverem como colocarem o produto final”, exemplificou.

Luís Carlos Silva avançou que com a articulação do sistema, “muita coisa pode acontecer” e haverá espaço para implementação de políticas e leis, visto que as que estão em vigor precisam “dum upgrade”.

“Nós temos uma lei de plástico que carece de fiscalização e poderá ser relevante fazermos uma fiscalização (…), a olho nu parece que a lei precisa dum upgrade, ser melhorada, ter mais âmbito e mais profundidades, portanto, acho que com a articulação e com alteração da lei, nós poderemos ter aqui um ecossistema que funciona no tratamento de plástico”, defendeu.

CC/GSF/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos