Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Defesa de Alex Saab classifica de “suicídio constitucional” a decisão do TC de Cabo Verde

Cidade da Praia, 09 Set (Inforpress) – A defesa de Alex Saab classifica de “suicídio constitucional de Cabo Verde” a decisão do Tribunal Constitucional (TC) de autorizar a extradição do diplomata venezuelano para os EUA e promete mexer toda “pedra legal” até ganhar a sua liberdade.

Através de um comunicado distribuído à imprensa, a equipa de defesa que reage assim à decisão do acórdão tornado público no dia 07 de Setembro, considerou que o indeferimento ao pedido de Alex Saab contra a sua extradição solicitada pelos Estados Unidos de América (EUA), foi “uma decisão longa, indigestível e juridicamente contestável”.

“Esta decisão é um momento importante na história constitucional deste pequeno Estado africano porque simboliza a morte sacrificial do Estado de direito que tanto custou a adquirir aos cabo-verdianos, ao serviço de interesses puramente políticos, de acordo com uma agenda ditada por Washington”, considerou.

“Isto é suicídio constitucional! Extremamente mal escrito, mal argumentado e juridicamente incoerente, este acórdão faria corar um estudante de Direito. A instrumentalização da lei para fins políticos requer um certo talento que parece faltar aos juízes cabo-verdianos”, acrescentou a mesma fonte.

A equipa de defesa de Alex Saab sublinhou ainda que na ausência de argumentos substantivos que possam convencer o leitor do contrário, o acórdão é apresentado numa forma e linguagem confusa e hermética, salientando que o resultado é legalmente deplorável.

“A consequência desta decisão é a validação da detenção puramente arbitrária de um diplomata estrangeiro, privado de todos os direitos e garantias, às mãos de agentes da polícia cabo-verdiana”, anotou.

Segundo a equipa, ao indeferir este pedido o TC quis dizer “Não” aos direitos humanos, ao direito internacional, ao senso comum, à consciência jurídica e aos valores da justiça e do Estado de direito.

“Este “Não” não tem fundamento jurídico e não convence. Sem dúvida que o TC  terá desempenhado o papel político que lhe foi exigido, mas este movimento político exigiu o sacrifício da Constituição. Ao querer dizer “Não” a Alex Saab, o Tribunal Constitucional diz “Não” à Constituição e a enterra”, realçou. 

Com esta decisão, acrescentou ainda que o TC também decidiu contra o Tratado Revisto da CEDEAO e contra o Direito Internacional e a afastou completamente Cabo Verde da comunidade das Nações civilizadas.

“Não podemos deixar nenhuma pedra legal sem mexer, nem nenhum meio inexplorado até ganharmos a liberdade de Alex Saab”, prometeram os advogados. 

Alex Saab, 49 anos, foi detido em 12 de Junho pela Interpol e pelas autoridades cabo-verdianas, durante uma escala técnica no Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, na ilha do Sal, com base num mandado de captura internacional emitido pelos Estados Unidos da América (EUA), que o consideram um “testa-de-ferro” do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

MJB/ZS

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos