Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Declarações da União dos Sindicatos de São Vicente (USSV) “não correspondem minimamente à verdade” – UNTC-CS

Cidade da Praia, 25 Abr (Inforpress) – As declarações da União dos Sindicatos de São Vicente (USSV) “não correspondem minimamente à verdade”, tendo em conta que são fundamentadas em pressupostos falsos e completamente distorcidos da realidade dos factos.

A afirmação é da secretaria -geral da União Nacional dos Trabalhadores de Cabo Verde – Central Sindical (UNTC-CS), Joaquina de Almeida, em conferência de imprensa, na Cidade da Praia, para esclarecer sobre a suspensão de quatro sindicados com quota em atraso, decisão saída da reunião da Comissão Permanente do dia 21 de Março.

A União dos Sindicatos de São Vicente (USSV) posicionou-se esta terça-feira, em conferência de imprensa, em São Vicente, contra a decisão recente da secretária-geral da UNTC-CS, que mandou suspender “vários sindicatos” filiados com quotas em atraso, pelo que pediu uma “clarificação urgente” da situação.

Joaquina de Almeida esclareceu que essa decisão “não foi da secretária-geral”, mas sim da Comissão Permanente, facto que, segundo ela, ela demonstra que não houve nenhuma usurpação dos poderes.

“A Comissão Permanente é um órgão colegial, composta por gente idónea e responsável, é que se encarrega da gestão corrente da central, assim está devidamente mandatada pelo Secretariado Nacional”, justificou.

A sindicalista informou que SICOTUTUR, STIF, SISCAP e STAPS são os sindicatos, que, para além de incumprir com os seus deveres estatutários, com a não apresentação de contas, não têm pago as quotas, há quatro anos, que correspondem a 10 por cento das suas receitas arrecadadas.

“Esses sindicatos, mesmo sabendo que a Central vive apenas das quotas, têm vindo a manter uma postura de asfixiar e sufocar a UNTC-CS, fazendo orelhas moucas aos pedidos do Departamento das Finanças para regularizara as quotas que ultrapassam os dois milhões de escudos”, denunciou Joaquina de Almeida.

A responsável sindical disse estranhar a posição da USSV em compactuar com o incumprimento desses sindicatos, apoiando-os numa postura “indevida e abusiva” de não pagar as quotas sindicais, colocando a UNTC-CS em situação de “grande dificuldade”.

OM/JMV

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos