UNTC-CS promove debate sobre papel do sindicalismo no aprofundamento da democracia (c/áudio)

Cidade da Praia, 30 Jan (Inforpress) – “O sindicalismo como forma de aprofundar a democracia” é tema de um seminário internacional, a decorrer hoje na Cidade da Praia, promovido pela UNTC-CS com o objectivo de fortalecer a consciência para um sindicalismo democrático e participativo.

Segundo a secretária-geral da União Nacional dos Trabalhadores de Cabo Verde – Central Sindical (UNTC-CS), há que analisar o papel dos sindicados no aprofundamento da democracia, quanto mais não seja pela sua acção social como agente de pressão, exercendo constantemente uma acção de contraposição aos ideais antidemocráticos, anti-humanistas e anticapitalistas.

“O sindicato tem a característica de frontalidade e não teme a entidade patronal e o próprio Governo. Por isso, é visto como ‘persona non grata’, mas se não houvesse essas contradições em qualquer que seja a nossa área de actuaçao não haveria nenhuma evolução”, sustentou.

Neste sentido, salientou Joaquina Almeida que o sindicalismo é crucial para democracia uma vez que faz com que as pessoas tenham voz e vez.

“A democracia concede-lhes a prorrogativa de lutar sem medo em prol dos trabalhadores”, disse, realçado também, que, hoje, mais do que nunca, os sindicatos são procurados para emitir opiniões, pareceres e darem subsídios em matérias diversas não só de carácter sócio-laboral, mas também económico e financeiro, ambiental e ecológico.

“Os sindicatos são verdadeiros parceiros sociais de fortalecimento da governança e da democracia”, salientou.

É neste sentido que enquadra-se o seminário internacional, já que conforme frisou, os sindicalistas têm de ser capazes de participar do diálogo social tripartido com conteúdo e com potência, por forma a dar o seu contributo para a elevação da democracia.

“Este seminário visa em primeiro lugar fortalecer a consciência para um sindicalismo democrático através do dum diálogo social participativo”, explicou a sindicalista.

O evento conta com a parceria da União Geral dos Trabalhadores (UGT) de Portugal e do Central de Formação Sindical e Aperfeiçoamento Profissional (CEFOSAP).

Para o secretário-geral da UGT, Carlos Silva, o grande trabalho dos sindicatos hoje em dia é combater o populismo e a demagogia daqueles que consideram que a existência dos sindicatos ou ser sindicalizado não vale a pena.

Na sua perspectiva, os sindicatos são fundamentais porque existem para defender trabalhadores e criar direitos.

Neste sentido, defendeu que “aprofundar a democracia é permitir que os Governos e outros parceiros percebam que os sindicatos são parceiros de confiança para se encontrar soluções partilhadas.

“Portanto, há que fazer uma pedagogia que tem a ver com a necessidade de os sindicatos serem reconhecidos pelos trabalhadores, pelas populações e pelos governos como parceiros fundamentais para a paz social, para estabilidade política e social e que defende os direitos dos trabalhadores da melhor forma”, salientou.

Durante o encontro vai-se ainda analisar os desafios e as potencialidades da criação do Conselho Económico e Social da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

A secretária-geral da União Nacional dos Trabalhadores de Cabo Verde – Central Sindical adianta o que se quer é a implementação de uma cooperação multilateral no domínio social e do trabalho.

Joaquina Almeida adiantou que a Constituição da República de Cabo Verde prevê a criação de um conselho económico social e ambiental, enquanto órgão consultivo de concertação em matéria de desenvolvimento sustentável.

“A nível da CPLP poderá também ser uma realidade. Mas tudo depende do envolvimento dos países que compõem esta comunidade”, disse Joaquina Almeida.


MJB/CP

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos