ENTREVISTA: Embaixador da Guiné-Bissau em Cabo Verde diz que seu país fez com que a CPLP fosse conhecida (c/áudio)

Cidade da Praia, 24 Jan (Inforpress) – O embaixador da Guiné-Bissau em Cabo Verde, M´Bala Alfredo Fernandes, disse, na Cidade da Praia, que o seu país fez com que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) fosse conhecida, tivesse ganhos e notoriedade.

“A CPLP foi tendo ganhos e notoriedade por causa da Guiné-Bissau”, afirmou em entrevista à Inforpress M´Bala Alfredo Fernandes, para quem “é triste” ter ganhos porque um país está a passar mal.

Isto porque, afirmou o diplomata, a partir da crise de 12 de Abril de 2012, com mais um golpe de Estado, a CPLP passou a ter um “papel determinante no xadrez político internacional por causa da Guiné-Bissau”, quer a nível da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), como da União Africana e das Nações Unidas.

Entretanto, este responsável relembrou que, mesmo assim, há dois anos a esta parte, não há uma representação da CPLP na Guiné-Bissau.

“Todos os países da CPLP têm problemas. Todos. Não quero aqui mencionar para não criar problemas. Todos têm problemas institucionais. Aqueles que vão às eleições e vão formando geringonças, aqueles que vão na ONU e vão formar problemas constitucionais, outros que ainda estão a tentar conquistar a paz”, acrescentou.

“Nós temos uma paz”, ajuntou M´Bala Alfredo Fernandes, reconhecendo, por outro lado, que a Guiné-Bissau não tem uma estabilidade política decorrente das “vicissitudes no sistema do Governo”.

Embora sem estabilidade política, esta fonte frisou que a Guiné-Bissau é “um país com paz, com um crescimento económico e com uma grande tendência e esperança” de um dia afirmar-se como tinha afirmado no passado como “um país de negociadores, de mediadores da paz”.

“Os nossos militares são chamados para irem agora mediar paz na sub-região”, reforçou.

 

GSF/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos