Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Cruz Vermelha passa a actuar também em áreas como catástrofes energéticos e primeiros-socorros

 

Cidade da Praia, 24 Jun (Inforpress) – O presidente da Cruz Vermelha de Cabo Verde disse hoje que a instituição vai passar a actuar nas áreas de catástrofes energéticos e primeiros-socorros, tendo em conta a mudança climática e seus últimos efeitos verificados no arquipélago.

Mário Morreira fez este anúncio hoje em declarações à Rádio Nacional, no âmbito do encontro dos membros do Conselho Superior da Cruz Vermelha, que está a decorrer na ilha do sal durante dois dias, 23 e 24.

“O plano se insere em primeiro lugar nas áreas de catástrofes energéticos e primeiros socorros, como áreas prioritárias da intervenção da Cruz Vermelha, isto porque temos vindo a constatar a mudança climática a nível mundial e temos verificado alguns efeitos em Cabo Verde, nomeadamente com a passagem do furação Fred, a erupção vulcânica, chuvas inundações e nestes últimos dias tivemos um incêndio de grandes proporções em Santo Antão”, apontou.

Para este responsável, tudo isso demonstra que a instituição deve de facto recentrar a sua vertente de intervenção, baixando a guarda a nível dos projectos sociais para os parceiros  tradicionais, e avançar nestes domínios que considera muito mais difíceis para qualquer organização no país.

Neste sentido, a nível de catástrofes e emergências, a Cruz Vermelha de Cabo Verde propõe a construção de cinco bases logísticas, sendo uma delas na ilha do sal que cobrirá também ilha da Boa Vista.

Mário Morreira avançou que estão a aproveitar a estadia na ilha para lançar o desafio ao presidente da Câmara Municipal, Júlio Lopes, e à Empresa Nacional de Aeroportos e Segurança Aérea (ASA), no sentido de associarem com a Cruz Vermelha na mobilização e construção de uma base logística na ilha do Sal para a intervenção, marcação e preparação em caso de catástrofe.

“Estivemos com o presidente do conselho de administração da ASA para lançar o desafio e pedir para, em parceria com Cruz Vermelha, ajudar na criação da base e aquisição de experiências, principalmente na formação e equipamentos complementares”, indicou.

As outras bases logísticas para a intervenção em caso de catástrofes, segundo a fonte, deverão ficar nas ilhas de São Vicente, Santiago Norte e Fogo.

O encontro dos membros do Conselho Superior da Cruz Vermelha, para além de debruçar sobre as medidas de casos de catástrofes no país, vai analisar também o desempenho da instituição no ano 2014 a 2017, tendo em vista a próxima assembleia geral a ser realizada em Setembro ou Outubro deste ano.

AF/FP

Inforpress/Fim

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos