Cruz Vermelha passa a actuar também em áreas como catástrofes energéticos e primeiros-socorros

 

Cidade da Praia, 24 Jun (Inforpress) – O presidente da Cruz Vermelha de Cabo Verde disse hoje que a instituição vai passar a actuar nas áreas de catástrofes energéticos e primeiros-socorros, tendo em conta a mudança climática e seus últimos efeitos verificados no arquipélago.

Mário Morreira fez este anúncio hoje em declarações à Rádio Nacional, no âmbito do encontro dos membros do Conselho Superior da Cruz Vermelha, que está a decorrer na ilha do sal durante dois dias, 23 e 24.

“O plano se insere em primeiro lugar nas áreas de catástrofes energéticos e primeiros socorros, como áreas prioritárias da intervenção da Cruz Vermelha, isto porque temos vindo a constatar a mudança climática a nível mundial e temos verificado alguns efeitos em Cabo Verde, nomeadamente com a passagem do furação Fred, a erupção vulcânica, chuvas inundações e nestes últimos dias tivemos um incêndio de grandes proporções em Santo Antão”, apontou.

Para este responsável, tudo isso demonstra que a instituição deve de facto recentrar a sua vertente de intervenção, baixando a guarda a nível dos projectos sociais para os parceiros  tradicionais, e avançar nestes domínios que considera muito mais difíceis para qualquer organização no país.

Neste sentido, a nível de catástrofes e emergências, a Cruz Vermelha de Cabo Verde propõe a construção de cinco bases logísticas, sendo uma delas na ilha do sal que cobrirá também ilha da Boa Vista.

Mário Morreira avançou que estão a aproveitar a estadia na ilha para lançar o desafio ao presidente da Câmara Municipal, Júlio Lopes, e à Empresa Nacional de Aeroportos e Segurança Aérea (ASA), no sentido de associarem com a Cruz Vermelha na mobilização e construção de uma base logística na ilha do Sal para a intervenção, marcação e preparação em caso de catástrofe.

“Estivemos com o presidente do conselho de administração da ASA para lançar o desafio e pedir para, em parceria com Cruz Vermelha, ajudar na criação da base e aquisição de experiências, principalmente na formação e equipamentos complementares”, indicou.

As outras bases logísticas para a intervenção em caso de catástrofes, segundo a fonte, deverão ficar nas ilhas de São Vicente, Santiago Norte e Fogo.

O encontro dos membros do Conselho Superior da Cruz Vermelha, para além de debruçar sobre as medidas de casos de catástrofes no país, vai analisar também o desempenho da instituição no ano 2014 a 2017, tendo em vista a próxima assembleia geral a ser realizada em Setembro ou Outubro deste ano.

AF/FP

Inforpress/Fim

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos