Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Cruz Vermelha: Grupo de voluntários considera XII Assembleia-geral ilegal e promete impugnar os resultados

Cidade da Praia, 26 Nov (Inforpress) – Um grupo de voluntários “insatisfeitos” da Cruz Vermelha de Cabo Verde (CVCV) considera ilegal a XII Assembleia-geral electiva, convocada para hoje e sábado, e promete impugnar os resultados das eleições que têm como único candidato o actual presidente.

Em nome do grupo, que integra três últimos presidentes da CVCV, José Mário Correia, antigo membro do conselho superior, contou que a assembleia que se inicia decorre sob o signo da fraude, já que o estatuto que serve de base para a convocatória é um estatuto “ilegal”, que que não cumpriu os requisitos tradicionais exigidos pela Cruz Vermelha Internacional.

“Qualquer que seja a alteração ao estatuto, terá necessariamente que fazer um percurso obrigatório que é ser aprovada internamente na Assembleia, mas também, ser aprovada pela Cruz Vermelha Internacional e ainda passar pelo crivo do Governo para verificar até que ponto esse estatuto está conforme a legislação nacional”, explicou.

“Muito mais do que isso tem de ser publicado no boletim oficial. E esse estatuto que está a servir de base para a realização desta assembleia não cumpriu esse caminho. Portanto o próprio regulamento eleitoral que deriva deste estatuto está altamente viciado”, disse.

José Mário Correia afirmou que é uma situação que foi “montada deliberadamente” pelo próprio presidente cessante, Arlindo Carvalho, para se reeleger e barrar o caminho a outros voluntários desejosos de dar a sua contribuição ao nível superior da Cruz Vermelha.

José Mário Correia justificou a “insatisfação” do grupo com a gestão de Arlindo Carvalho com aquilo que classifica de “desmando enorme” a nível dessa organização humanitária.

“O senhor Arlindo Carvalho fixou o seu salário em 50 mil escudos, tem outros dois vice-presidentes a receber mensalmente 35 mil escudos cada, o que é uma aberração porque na história da CVCV nunca um voluntário foi pago para ser voluntário. É a primeira vez na história da organização em Cabo Verde que isso acontece”, sustentou.

Denunciou ainda que Arlindo Carvalho tem cartão de crédito, carregado com um montante de várias centenas de milhares de escudos cabo-verdianos para cobrir as suas despesas de forma indiscriminada, o que, na sua perspectiva, representa “claramente um assalto”.

“Se se consultar as contas da Cruz Vermelha junto da Caixa Económica todas as dúvidas em relação a isso vão ser dissipadas”, declarou. 

Por isso adiantou que o grupo vai impugnar os resultados desta Assembleia na expectativa de que o tribunal lhes dê razão e mande colocar as coisas no seu respectivo lugar.

Avançou também que nos próximos dias vão solicitar uma audiência ao Presidente da República, que é presidente de honra da CVCV, no sentido de lhes ajudar “a travar essa corrente montada que tem a Cruz Vermelha de Cabo Verde captura e guiada para servir um grupinho com interesses mesquinhos e que estão a lesar a organização, o Estado e que está a minar a credibilidade junto ao movimento internacional”.

O grupo, que integra, para além de José Mário Correia, os três anteriores presidentes da CVCV designadamente Mário Moreira, Eloisa Évora e Dario Santos dos Reis, já tinha intentado uma providência cautelar junto do tribunal que, entretanto, foi indeferido.

De acordo com a convocatória, a CVCV vai estar reunida em Assembleia-geral Ordinária para de entre vários assuntos constantes da ordem dos trabalhos, fazer o balanço de mandato de 2017 a 2021 e eleger os seus órgãos superiores.

O presidente cessante, Arlindo Carvalho, anunciou em declarações à RCV que é o único candidato à sua própria sucessão.

MJB/ZS

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos