Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Cruz Vermelha de Cabo Verde distribuiu cerca de 300 refeições a famílias vulneráveis

Cidade da Praia, 29 Jun (Inforpress) – A Cruz Vermelha de Cabo Verde assinou hoje um protocolo com a Escola de Hotelaria e Turismo para distribuir cerca de 300 refeições a pessoas e famílias em situação de emergência social nas ilhas de Santiago e Sal.

Depois de uma “experiência” na ilha do Sal, com distribuição de uma média de 200 refeições por dia, o protocolo hoje assinado vai permitir “muito brevemente” fazer o mesmo a uma centena de famílias na cidade da Praia, segundo o presidente da Cruz Vermelha de Cabo Verde.

Arlindo Soares de Carvalho disse que o projecto “Refeições Quentes” visa alimentar pessoas e famílias em situação de emergência social nas ilhas e municípios onde existam condições logísticas necessárias e exigíveis para o efeito.

O presidente da Cruz Vermelha de Cabo Verde explicou à Lusa que, depois da cidade da Praia (ilha de Santiago) e da ilha do Sal, posteriormente o objetivo é chegar a outras ilhas, para ajudar as pessoas mais carenciadas, em especial deficientes e idosos.

Além das situações diárias, o projecto visa ainda mitigar os efeitos do agravamento da situação social no país, devido à pandemia de covid-19.

“A ideia é alargar o projeto a mais famílias e para isso vamos contar com parceiros”, salientou Arlindo de Carvalho, que para as duas ilhas indicou como parceiros a embaixada do Luxemburgo, Garantia Seguros, diáspora cabo-verdiana e o Governo, através do Ministério da Família e Inclusão Social, e a Federação Internacional da Cruz Vermelha.

O responsável afirmou que a situação anterior era “desfavorável” por causa de três anos consecutivos de seca e dos problemas sociais no país, mas com a pandemia provocada pelo novo coronavírus a “situação complicou-se”.

“As pessoas dão sinal que precisam de algo”, acrescentou Arlindo de Carvalho, para quem essa demanda humanitária está a crescer, precisando, por isso, de mobilização de parceiros e de recursos.

“Mas a situação, em termos de segurança alimentar, nutricional e não só, precisa ser colocada no centro das atenções. As pessoas precisam e nós temos que fazer algo para que não ficam a sofrer eternamente”, frisou.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos