Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Crise sanitária provoca o pior desempenho económico de Cabo Verde dos últimos 40 anos – BCV

Cidade da Praia, 19 Abr (Inforpress) – Cabo Verde terá tido, em consequência da crise sanitária global, o “pior desempenho económico” dos últimos 40 anos, segundo o relatório do Banco de Cabo Verde (BCV) hoje divulgado.

De acordo com o BCV, esta crise interrompeu, em 2020, o ciclo de crescimento que a economia mundial vinha observando desde 2009 e determinou, em consequência, um significativo agravamento do enquadramento externo da economia nacional.

Segundo a mesma fonte, citando as estimativas trimestrais das contas nacionais do Instituto Nacional de Estatísticas, o produto interno bruto em volume contraiu 14,8 por cento em 2020, “o que compara ao crescimento de 5,7 por cento (%) de 2019 e de 5,4% registado, em média, entre 1980 a 2019”.

“A retracção da procura agregada, reflexo da queda das exportações e do consumo privado, respectivamente, em 58 e 11 por cento, determinou a pior performance da economia nacional desde a década de 80 do século passado”, lê-se no documento a que a Inforpress teve acesso.

Do lado da oferta, prossegue o relatório, a característica singular do choque exógeno reflectiu-se, principalmente, na evolução “fortemente negativa” das actividades de alojamento e restauração (-71%), transportes (-33%), comércio (-21%), à qual se agrega a significativa contracção dos impostos líquidos de subsídios, na ordem dos 23 por cento.

O documento destaca ainda que, em 2020, a administração pública, a construção e os serviços financeiros foram os únicos ramos que registaram um aumento do seu valor acrescentado bruto.

No que tange à procura, os investimentos contribuíram positiva e significativamente para o desempenho da economia.

“Os desempenhos dos investimentos e da construção estarão associados à execução de grandes projectos de investimentos externos em fase de conclusão, bem como do programa público de Requalificação, Reabilitação e Acessibilidade, entre outros”, refere o relatório.

O BCV explica, por outro lado, que o desempenho “muito desfavorável” da economia nacional se deve, sobretudo, a efeitos de algumas medidas adoptadas, nomeadamente o confinamento geral que vigorou de finais de Março a meados de Maio em todas as ilhas, com excepção de Santiago e Boa Vista, que permaneceram em Estado de Emergência até finais de Maio.

Um outro factor que contribuiu para o definhamento da economia nacional são as restrições de viagens (aéreas e marítimas) internacionais não humanitárias e de abastecimento essencial ao país até Outubro.

“As viagens inter-ilhas também continuaram bastante condicionadas depois do levantamento da interdição em Junho”, aponta o relatório do BCV que acrescenta que a proibição das actividades desportivas e recreativas até Outubro em boa parte do País também contribuiu para a queda da economia.

“A performance económica do País foi pior que a dos seus principais parceiros e da média da sub-região na qual Cabo Verde está inserido, mas próxima das economias similares, dada a sua concentração sectorial em serviços, ao seu baixo grau de diversificação, bem como ao reduzido espaço orçamental para uma política contra-cíclica mais agressiva”, conclui o relatório do BCV.

LC/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos