Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Criação do Fundo Soberano terá, num primeiro momento, impacto no aumento da dívida pública – governador do BCV

Cidade da Praia, 12 Mar (Inforpress) – O governador do Banco de Cabo Verde (BCV), João Serra, afirmou que a criação do fundo soberano de garantia irá, num primeiro momento, impactar o aumento da dívida pública, impacto este que poderá ser desfeito posteriormente.

João Serra fez tais declarações enquanto estava a ser ouvido no final da tarde de segunda-feira, 11 de Março, pela Comissão Especializada de Finanças e Orçamento (CEFO) sobre a proposta de lei do Governo que cria o fundo soberano de garantia do investimento privado.

Questionado pelos membros da CEFO se a criação do fundo soberano de garantia do investimento privado impactará ou não em termos de aumento da dívida interna, João Serra respondeu que, “naturalmente”, num primeiro momento irá impactar, porque o Estado irá emitir os Títulos do Tesouro de Renda Perpétua, que deverão ser registados enquanto dívida pública.

“A ideia é essa, num momento haverá impacto (…) porque são emitidos títulos da dívida pública e como tal devem ser registados esses títulos, assim sendo, impactam de imediato a dívida pública”, explicou.

Mas este impacto poderá, segundo João Serra, ser desfeito com a emissão dos chamados Títulos de Rendimento de Mobilização do Capital (TRMC), que são propriedade do fundo soberano.

Segundo a mesma fonte, uma vez emitidos e alienados, o dinheiro daí adveniente (do TRMC) irá permitir, eventualmente, o abate do adicional, em termos do aumento da dívida pública que aconteceu com a emissão dos chamados Títulos do Tesouro de Renda Perpétua.

“Em termos teóricos vamos ter uma dívida de soma nula, porque é uma dívida fundada, com contrapartida”, disse João Serra, afirmando que, por outro lado, poderá não haver uma coincidência temporal entre a emissão de títulos do tesouro de renda perpétua e a emissão dos TRMC.

Prosseguindo, o governador do BCV fez saber que “para o Estado é mais fácil emitir os Títulos de Tesouro de Renda Perpétua”, aliás defendeu que “terá que o fazer para resgatar os Títulos Consolidados de Mobilização Financeira (TCMF).

Depois, acrescentou, o fundo soberano terá que, ele próprio, emitir os TRMC, que deverão ser subscritos. “Mas, em termos teóricos, e a prazo, poderemos ter uma situação de dívida de soma nula”, avisou João Serra, reforçando que “num primeiro momento haverá sim um aumento da dívida, mas, a prazo, esse aumento poderá ser desfeito”.

Refira-se que o Governo pretende extinguir o International Support For Cabo Verde Stabilization Trust Fund, que tem como passivos os chamados Títulos Consolidados de Mobilização Financeira. Uma vez extinguido o Trust Fund, o dinheiro que está lá, que é contrapartida dos passivos que configuram os TCMF, serão transferidos para o chamado Fundo Soberano de Garantia do Investimento Privado.

GSF/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos