Search
Generic filters
Filter by Categories
Ambiente
Cooperação
Cultura
Economia
Internacional
Desporto
Politica
Sociedade

CPLP vai criar uma força conjunta de intervenção e apoio para situações de catástrofes (c/áudio)

Cidade da Praia, 10 Abr (Inforpress) – A Comunidade dos Países Africanos da Língua Portuguesa (CPLP) está a trabalhar na criação de uma força conjunta de intervenção e de apoio a situações de catástrofes na comunidade, revelou hoje o CEMFA de Cabo Verde, Anildo Morais.

“Já estamos muito bem avançados em termos de procedimentos e a breve trecho teremos o documento pronto para ser aprovado a nível dos ministros da Defesa, uma vez que terá de ter o consenso de todos os países, e neste momento falta apenas a Guiné Equatorial para se pronunciar”, sublinhou este responsável.

O chefe de Estado Maior das Forças Armadas (CEMFA), que falava à imprensa momentos depois de presidir à abertura da 21ª reunião dos Chefes de Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorre na Cidade Praia de 10 a 11 deste mês, mostrou-se convicto que durante o encontro serão criadas todas as soluções e medidas para a operacionalização deste mecanismo que, a seu ver, é uma prioridade.

Segundo explicou, esse mecanismo de apoio a catástrofes da CPLP irá abranger o exército, a marinha e as forças armadas e cada um dos países irá alocar os recursos disponíveis de acordo com a situação de cada um, tendo assegurado que Cabo Verde irá trabalhar com os seus homólogos para que este projecto comece a ser implementado brevemente.

Na ocasião considerou que se o mecanismo já estivesse operacionalizado certamente já estariam em condições de dar um apoio maior a Moçambique, apesar de Portugal, Brasil e Angola terem feito acções individuais.

Anildo Morais avançou ainda que durante os dois dias vão ser analisadas questões sobre a implementação do colégio militar da CPLP, o próximo exercício da comunidade, mecanismo da componente da defesa e da operacionalização sobre as situações de catástrofes.

“O colégio militar é um fórum extremamente importante, a primeira acção decorreu no Brasil e debruçou-se sobre o direito internacional humanitário, o próximo será em Portugal ainda no decorrer deste ano e irá analisar a questão da ciber segurança”, referiu o CEMFA que disse que durante o encontro será escolhido o próximo país a receber esta acção.

Por seu turno, o chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) de Portugal, António Silva Ribeiro, disse que o encontro da Praia poderá ser determinante para a efectivação de medidas concretas para a implementação desse mecanismo, já que a tragédia de Moçambique mostrou que é evidente, necessário e urgente a criação desta força conjunta de intervenção e de apoio para estas situações.

Adiantou que Portugal terá uma actuação como os restantes países, onde cada um contribuirá com os meios e capacidades disponíveis para acorrer incidentes naturais e catástrofes de qualquer natureza nos países da CPLP.

Por outro lado, considerou que um dos desafios passa por aprofundar esse mecanismo de apoio, e trabalhar outras áreas no sentido de criar condições para que no quadro das Nações Unidas as forças armadas da CPLP possam actuar de forma mais integrada e interoperável uma com as outras para que os desempenhos operacionais sejam adequados ao cumprimento das missões sempre que houver decisão política para esse efeito.

A anteceder a reunião dos Chefes de Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), aconteceu uma cerimónia militar no Memorial Amílcar Cabral.

No âmbito deste encontro, os Chefes de Estado-Maior-General das Forças Armadas da CPLP foram recebidos na terça-feira, 09 pelo ministro da Defesa, Luís Filipe Tavares, e serão recebidos pelo Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, na quinta-feira, 11.

AV/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos