São Vicente: Centenas de pessoas “invadem” Laginha transgredindo quase todas restrições contra covid-19

*** Por Leticia Neves, da Inforpress ***
Mindelo, 01 Jun (Inforpress) – Centenas de pessoas, a maioria jovens, recorreram à praia da Laginha na tarde deste domingo, 31, desrespeitando quase todas as restrições impostas pelas autoridades e para as quais os utentes estão a fazer orelhas moucas.

A praia esteve assim apinhada de gente, literalmente, e que se mostraram bem indiferentes a situação do novo coronavírus no País e até na própria ilha de São Vicente, onde foi diagnosticado hoje um novo caso de covid-19.

Tanto assim é que a palavra distanciamento social praticamente não existia, com as pessoas bem perto umas das outras, até com troca de abraços, beijos, agarramentos, que fizeram parte do pacote.

Não faltaram equipamentos sonoros espalhados pelo areal, prática de futebol com várias pessoas, ainda troca de bicicletas que passavam de mão em mão e utilização dos equipamentos, por várias pessoas, do parque fitness na praia.

A Inforpress constatou também no local a venda ambulante de alimentos.

No meio das restrições impostas pelo Instituto Marítimo e Portuário (IMP) só faltou ser violada a de utilização de tendas colectivas.

Contudo, é de se relembrar que o IMP apelou à população para o cumprimento rigoroso do regulamento para evitar que isto constitua um risco e as praias tenham que ser interditadas novamente, relembrando que o documento que regula o acesso e frequência das praias balneares nacionais é analisado e revisto de quinze em quinze dias, e poderá ser alterado a qualquer momento mediante a evolução da situação epidemiológica de cada ilha.

E o não cumprimento das regras poderá ser uma das razões, já que, segundo o capitão dos Portos, Aguinaldo Lima, estas perdurarão enquanto houver risco de contágio e visam estabelecer “estilos de conduta e de utilização das aludidas praias e zonas marítimas balneares, de forma aprazível e segura, permitindo assim que se conviva com o vírus em condições de risco mais reduzido”.

O responsável adiantando que a fiscalização para o cumprimento dessas normas fica a cargo da autoridade marítima nacional, Polícia Nacional, Polícia Marítima e nadadores-salvadores.

Entretanto, aquando da estada da Inforpress na praia da Laginha não se vislumbrou a presença dessas autoridades.

LN/JMV

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos