Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Covid-19/Santa Cruz: Jorge Carlos Fonseca apela ao não-ajuntamento na celebração das festas de São Tiago Maior

Pedra Badejo, 24 Jul (Inforpress) – O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, apelou à população santa-cruzense para evitar ajuntamentos na comemoração da festa de São Tiago Maior, que se celebra hoje, tendo em conta o perigo da propagação da covid-19.

O chefe de Estado fez este apelo em declarações aos jornalistas, em Pedra Badejo, após uma visita efectuada ao concelho para se inteirar da situação da covid-19 na povoação.

“Eu já estive cá como convidado e antes de ser Presidente da República vim cá para a festa. Era festa com muita alegria, muita movimentação de pessoas, muita música, com danças, concursos e foguete” recordou o Presidente da República chamando a atenção para o facto de que “neste momento não é possível fazer isso”.

“Eu digo aos santa-cruzenses que este é um ano especial e estamos num contexto de pandemia, por isso, as pessoas não devem pensar que estamos numa situação normal”, disse Jorge Carlos Fonseca, lembrando que esta “situação de pandemia requer cuidados para evitar a propagação”.

“As pessoas devem tentar comemorar de uma forma diferente. É um momento de crise, portanto, o festejo tem que ser adaptado à esta situação”, defendeu o Presidente alertando que “esta pandemia é algo sério e Santa Cruz já vai em 203 casos positivos da doença”.

“Felizmente, não se registou nenhum óbito provocado pela doença no concelho, mas temos que travar a propagação deste vírus”, referiu.

“Temos de evitar, sobretudo em momentos de festa, a tentação de esquecer que estamos num período de crise sanitária”, reforçou, frisando que se deve obedecer, com rigor, as directivas das autoridades sanitárias.

“Espero que tenhamos uma boa “azágua” (ano agrícola) este ano, Santa cruz, é um concelho iminentemente agrícola, um celeiro da ilha de Santiago quando há uma boa “azágua”, e espero isso para atenuar a pressão sobre o emprego, a protecção social e as necessidades das pessoas. Espero que, no próximo ano, possa vir cá festejar o dia 25 de Julho de uma outra maneira, sem máscaras e com festas à maneira tradicional de Santa Cruz, enfatizou.

WM/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos