Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Covid-19/Santa Catarina: Edil pede envolvimento de todos para tirar município da “cauda do processo de vacinação” (c/áudio)

Assomada, 13 Set (Inforpress) – A presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina lamentou hoje o facto de o município estar na “cauda do processo da vacinação”, lembrando, entretanto, que o objectivo dos 70 % da população vacinada exige o envolvimento de todos.

Jassira Monteiro, que convocou para este encontro líderes comunitários de várias localidades desse município do interior de Santiago, lamentou o facto de a região e o município que dirige “não estarem bem na fotografia”.

Por isso, pediu o esforço e o envolvimento dos líderes comunitários nessa acção de mobilização de pessoas para a adesão à campanha de vacinação, cujo município conta com apenas 48 % da população vacinada com a primeira dose.

“É preciso mudar esta tendência o mais rápido possível, para que possamos entrar na lista dos municípios que atingiram a meta proposto pelo Governo – 70 por cento (%) até final de Setembro -, e para podermos retomar as actividades, sobretudo económicas e a nossa vida”, lançou Jassira Monteiro.

Tal meta, segundo a autarca, é possível se todos se envolverem nesse processo.

Se tal não acontecer Jassira Monteiro advertiu que Santa Catarina vai continuar na “lista vermelha” e que não será realizada nenhuma actividade.

“É necessário o envolvimento de todos nós, sobre a questão do processo da vacinação”, apelou, convidando todos os presentes para tomarem a mobilização à campanha de vacinação contra covid-19 como um “projecto pessoal”.

Na mesma linha, a delegada de Saúde de Santa Catarina, Elisangela Tavares, que considerou a situação desse município do interior de Santiago “grave”, disse acreditar que com o envolvimento de todos o município poderá atingir os 70 % da população imunizada até final de Setembro, saindo assim da cauda de municípios com taxa de vacinação abaixo da mádia nacional.

Em jeito de balanço, lembrou que em 2021 registaram-se 14 óbitos por covid-19, número que considerou “muito”, tendo em conta a realidade do concelho.

“Se os demais concelhos do País atingiram a meta dos 70% da população vacinada, vamos ficar mais frágeis à contaminação e propagação da Covid-19, porque nos demais concelhos o vírus não vai conseguir desenvolver-se e vai atacar onde não há imunidade de grupo”, alertou a médica.

Nesse sentido, advertiu que se o cenário não mudar que é isso que vai acabar por acontecer, sustentando que os casos estão a aumentar a cada dia, e que só este ano já foram registados 1.130 casos de infecção por covid-19.

“Fico triste quando oiço os jovens a dizer que vão optar pela realização de testes de 15 em 15 dias em vez da vacinação”, lamentou, informando que testes de PCR e antigénio não são viáveis.

“Para retomarmos à normalidade, sobretudo a nível económico, temos que ter 70% da população vacinada”, disse, informando que de momento, o concelho conta com apenas 48% da população vacinada com pelo menos uma dose.

FM/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos