Covid-19: PP denuncia má gestão da crise sanitária por parte do Governo

Cidade da Praia, 09 Ago (Inforpress) – O Partido Popular (PP-oposição) acusou hoje o Governo de má gestão da crise sanitária da pandemia da covid-19 e apelou ao reforço da fiscalização para evitar aglomerações de pessoas, sobretudo em frente as instituições do Estado.

A acusação foi feita pelo vice-presidente do Partido Popular, Felisberto Semedo, que falava à imprensa momentos após a reunião quinzenal do partido, que analisou, também, a questão de terrenos na Cidade da Praia, evacuações de doentes inter-ilhas e assuntos relacionados com guardas prisionais.

O PP considera que todo o processo foi “mal conduzido”, desde a questão do cadastro social único, pensão social, confinamento obrigatório e a distribuição gratuita de máscaras que foi feita tardiamente.

“Só depois do País registar mais de dois mil contaminados e mais 27 mortes, medida essa que veio tardiamente. Estamos de acordo com as últimas medidas que incluem o encerramento dos bares, lojas e com novos horários, mas não consideramos que seja o melhor caminho”, sublinhou o vice-presidente que apelou ao reforço da fiscalização.

Outra questão que inquieta também o partido, tem a ver com a nova medida implementada na Polícia Judiciária (PJ), em que a partir de agora são descontados 2% do salário de todos os funcionários para a criação de um fundo social.

Para o Partido Popular, essa medida é inconstitucional e pode desincentivar e condicionar os trabalhos de investigação criminal.

O PP denunciou, ainda, uma “série de injustiças, irregularidades, assédio moral e de maus tratos” aos agentes da guarda prisional e acusou o Ministério da Justiça de andar contra a lei e de fazer descaso perante essas situações.

Por outro lado, apelou ao Governo a abrir um inquérito sobre a morte de mais uma grávida evacuada da Boa Vista com feto morto, que morreu cinco dias depois no Hospital Agostinho Neto, na Praia.

“Essa não é a primeira nem a segunda vez que acontece, e achamos que já é altura de o País ter condições de evacuações mais rápido célere e evitar situações do tipo”, constatou.

O partido acusou ainda a Câmara Municipal da Praia de praticar “tratamento desigual, de partidarismo” e de fazer “recrutamento à base de amiguismo” próximo do partido, mas também de congelar a questão do Plano de Cargo Carreira e Salários (PCCS), há muito reivindicado pelos trabalhadores.

Questionado sobre a lista do partido para as autárquicas desde ano, Felisberto Semedo adiantou que o partido está a trabalhar nesse processo, mas assegurou que o PP vai apresentar candidatos sobretudo para as assembleias municipais.

AV/DR
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos