Covid-19/Porto Novo: Taxistas e vendedores informais “ansiosos” pela retoma da ligação Santo Antão/São Vicente

Porto Novo, 07 Mai (Inforpress) – Vendedores informais junto ao porto, bagageiros, taxistas e operadores dos transportes terrestres em  geral, no município do Porto Novo, na ilha de Santo Antão, dizem-se “ansiosos” pela normalização da linha marítima com São Vicente.

Esses operadores manifestaram à Inforpress o facto de terem perdido os seus rendimentos com as restrições impostas pelo Governo nessa rota, com um dos maiores fluxos de pessoas no País, razão pela qual aguardam, com “muita ansiedade”, a regularização dessa linha “o mais depressa possível”.

Os vendedores de queijos à porta do cais do Porto Novo explicam que a sua actividade depende desta linha, informando que, desde os finais de Março, quando foi suspenso o transporte de pessoas entre Santo Antão e São Vicente (vice-versa), “a venda do queijo ficou, praticamente, parada”.

João Fortes, produtor de queijo, informou que antes arrecadava, mensalmente, 60 mil escudos na venda do produto, mas que, com o encerramento da linha, não consegue obter sequer 15 mil escudos/mês, valor que não chega nem para comprar a ração para os animais.

Por seu lado, João Oliveira, taxista, disse que os operadores no ramo dos transportes terrestres têm vivido “um sufoco” nos últimos tempos, já que tudo depende da linha marítima entre São Vicente e Santo Antão.

“Aguardarmos com grande expectativa pela retoma da ligação entre estas duas linhas, porque, caso a situação se mantenha, a única saída é parar os táxis”, adiantou este taxista.

No município do Porto Novo, cerca de 150 pessoas, entre peixeiras, vendedores ambulantes, vendedores dos mercados informais, lavadores de carros, bagageiros,  foram já contemplados com o Rendimento Solidário, num montante que ultrapassam um milhão de escudos.

A previsão é atribuir este rendimento a 281 pessoas em todo o concelho, segundo a câmara do Porto Novo, que informou que, paralelamente, estão sendo pagos o Rendimento Social de Inclusão Emergencial às famílias constantes do Cadastro Social Único.

O Governo deve, ainda esta semana, pronunciar-se sobre a retoma da ligação entre Santo Antão e São Vicente, também defendida pelos deputados e autoridades municipais santantonenses, dada a importância que a mesma tem na economia de ambas as ilhas.

Por causa da pandemia do novo coronavírus, o transporte de pessoas neste percurso deverá obedecer a algumas limitações, como a redução da lotação dos navios, o rastreio de passageiros nos portos, uso de máscaras e a obrigatoriedade de desinfestação de cargas e viaturas.

JM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos