Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Covid-19/Parlamento: “Esta é uma guerra onde todos devem estar sob as mesmas cores” – PM

Cidade da Praia, 01 Abr (Inforpress) – O primeiro-ministro apelou hoje a todos o máximo sentido de responsabilidade neste contexto de pandemia, defendendo que “esta é uma guerra onde todos devem estar sob as mesmas cores”, as da bandeira de Cabo Verde.

Ulisses Correia e Silva falava no Parlamento durante a sessão extraordinária da Assembleia Nacional, cujos pontos da ordem do dia são a Ratificação da Autorização da Comissão Permanente ao Presidente da República para Declaração do Estado de Emergência e Aprovação de Propostas de Leis apresentadas pelo Governo.

“Quanto mais nos focarmos na prevenção, no cumprimento das regras e na disciplina individual, menos casos teremos e mais rápido sairemos para a vida normal. Este não é o momento para o combate político”, afirmou.

Prosseguindo, Ulisses Correia completou que “este não é o momento de aplausos depois das intervenções e dos discursos políticos”, “este é o momento de salvar vidas e salvar o país”.

Ainda nas suas declarações, o chefe do Governo recordou que o executivo aprovou um pacote de medidas dirigidas ao sector informal da economia e às famílias em situação de pobreza extrema.

Citando, Ulisses Correia indicou a atribuição de Rendimento Social de Inclusão Emergencial, para beneficiar 2.788 famílias em situação de pobreza extrema, que somam aos 5.212 do regime de RSI normal.

Citou ainda a atribuição do Rendimento Solidário para 30 mil trabalhadores do regime REMPE e do sector informal, a assistência alimentar a 22.500 famílias cujo rendimento se situa abaixo do salário mínimo ou sem qualquer fonte de rendimento e o reforço das acções de cuidados a domicílio destinados a idosos e pessoas dependentes que vivem isolados.

As regras, conforme referiu, estão estabelecidas por diploma legal que define as condições de elegibilidade e de acesso aos benefícios, “com transparência e sentido de justiça para beneficiar aqueles que mais necessitam por terem sido afectados no seu rendimento normal”.

“Não se vai colocar as pessoas em filas para entregar dinheiro e nem bens alimentares. Se assim fosse estaríamos a promover o caos e situações de riscos de contágios”, avisou Ulisses Correia e Silva, completando que “aqueles que preencherem os requisitos para receberem o Rendimento Social de Inclusão Emergencial e o Rendimento Solidário, receberão através de contas bancárias”.

O chefe do Governo informou ainda que as cestas básicas de assistência alimentar serão entregues em casa dos beneficiários e que os cuidados aos idosos serão prestados nas suas residências.

Ulisses Correia aproveitou a sua intervenção para dirigir uma “palavra de apreço” a todos os cidadãos cabo-verdianos e a todos aqueles que escolheram Cabo Verde para viver e trabalhar, afirmando que agora é o momento de levarem as medidas de protecção pessoal “ainda muito mais a sério”.

A palavra de apreço vai ainda aos artistas e desportistas, no país e na diáspora, que têm endereçado mensagens de sensibilização e de solidariedade para as pessoas ficarem em casa, às ONG e outras organizações da sociedade civil “que têm assumido este combate com espírito acrescido de missão”.

O primeiro-ministro dirigiu-se ainda aos membros do Conselho Nacional da Protecção Civil, particularmente à Polícia Nacional e às Forças Armadas pelo “trabalho incansável e exigente” e aos profissionais de saúde que “estão na linha da frente do embate e do combate, a última linha para garantir a vida”.

Estes últimos, frisou, “estão expostos, imbuídos de alto e nobre espírito de missão”.

GSF/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos