Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Covid-19/Maio: Situação é de alerta mas sem pânico – presidente da câmara municipal

Porto Inglês, 05 Jan (Inforpress) –  O presidente da câmara do Maio considerou hoje que o surgimento frequente de casos de covid-19 na ilha é de alerta, mas não de pânico, tendo apelado às pessoas a respeitarem as normas sanitárias.

Segundo afiançou o autarca maiense Miguel Rosa, o mais importante neste momento é que todos e cada um faça a sua parte, respeitando as normas sanitárias, fazendo uso de máscaras, álcool gel e evitar a aglomeração ou ajuntamento em espaços públicos, com vista a se evitar a propagação do vírus na ilha.

“São convocados sete mil maienses para uma vez mais, darmos combate pandémico que se vive na ilha, porque isso também tem repercussão a nível económico e emocional das pessoas e das famílias”, salientou, lembrando que neste momento é obrigatório fazer teste para se viajar, admitindo que tal situação traz implicações a nível económico.

Miguel Rosa frisou ainda que os operadores económicos também já começam a sentir o efeito desta situação, tendo em conta que os turistas, principalmente os internos, deixam de vir com frequência como vinha acontecendo até bem poucos dias, porque no regresso são obrigados a fazer o teste de despiste.

Porém, Miguel Rosa mostrou-se confiante de que “brevemente” esta situação será ultrapassada, e expressou a sua confiança no trabalho que vem sendo feito pelo delegado de Saúde, do comandante da Esquadra Policial e da Protecção Civil, mas também da colaboração e do comportamento dos maienses.

Instado sobre a decisão das autoridades sanitárias de isentar os passageiros que deslocam da Cidade da Praia para ilha do Maio da não realização de teste rápido, Miguel Rosa disse que está em contacto permanente com autoridades local e nacional, informando que são decisões mais de carácter sanitário do que políticas, porque a situação é avaliada quinzenalmente e a partir de situação de cada ilha em particular é que são tomadas decisões.

“Mas nós acreditamos que dentro de dias estaremos de novo numa situação mais normal, por isso volto a afirmar que o momento não é de pânico, mas sim de alerta”, notou, sublinhando que a ilha esteve durante todo este tempo sem registar casos positivos de realce, pelo que esse aumento traz algumas preocupações, mas afirmou que a situação está sob controlo.

WN/DR

Inforpress/Fim

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos