Covid-19/Luxemburgo: Embaixador de Cabo Verde apela a “maior responsabilização cívica”

Cidade da Praia, 06 Jul (Inforpress) – O embaixador de Cabo Verde no Luxemburgo apelou hoje a comunidade cabo-verdiana e a lusófona a agirem “com responsabilidade cívica” e abraçarem com “responsabilidade novas atitudes, novas práticas, novos comportamentos e novos estilos de vida”.

Carlos Semedo deixou esta mensagem de sensibilização à comunidade cabo-verdiana e da lusofonia durante uma conferência de imprensa conjunta com a ministra da Saúde do Luxemburgo, Paulette Lenert, e o embaixador de Portugal, António Gamito, transmitida via rede social Facebook, para abordar a questão da pandemia do novo coronavírus.

O embaixador lamentou a morte de cidadãos cabo-verdianos e lusófonos no Grão-Ducado devido à covid-19 e aproveitou para alertar a comunidade a fazer que “é essencial” e a ter uma atitude responsável.

Neste combate à covid-19, para este diplomata, todos os cidadãos e os residentes em geral naquele país devem estar “empenhados”, devem continuar a ser “vigilantes” e a respeitar todas as indicações das autoridades luxemburguesas, para que possam regressar à normalidade, brevemente.

E para que isto aconteça pediu às pessoas para mudarem a sua forma de ser e de estar, “seja na família, na sociedade, no trabalho e em toda a parte”.

“Queremos que a comunidade lusófona aqui no Luxemburgo seja reconhecida e conhecida pelas boas razões, temos a obrigação cívica e moral de fazer tudo para garantir as condições de retoma da normalidade das nossas vidas”, disse, sublinhando que a vida exige “luta e sacrifícios” em que todos são chamados até que se encontre uma cura definitiva para essa doença.

Na mesma linha, o embaixador de Portugal no Grão-Ducado, António Gamito, apelou aos lusófonos para “não baixarem a guarda ao vírus” e para que tenham um “comportamento exemplar” nessa fase difícil.

“É fundamental que todos mostrem grande solidariedade neste combate, cumprindo essencialmente três das principais medidas que são pilares importantes para evitar a propagação da pandemia como manter as distâncias de segurança, usar a máscara e utilizar as medidas de higiene” recordou.

De acordo com informações publicadas no site wort.lu, nas últimas 24 horas as autoridades de saúde luxemburguesas identificaram 20 novos casos de infecção pelo novo coronavírus, elevando para 4.542 o número total de casos.

Desde que foi diagnosticado o primeiro caso, foram registados 110 mortos no Luxemburgo.

Depois de terem registado um abrandamento de casos, o Grão-Ducado registou nos últimos dias novos casos de covid-19 e as autoridades associam estas novas infecções a realização de festas e de convívio no período de desconfinamento.

Questionado sobre o número de casos entre os lusófonos, a ministra da Saúde do Luxemburgo, Paulette Lenert, disse que não dispunha de dados por nacionalidade, uma vez que nas estatísticas fazem apenas a diferenciação entre residentes e não residentes.

“O cnovo oronavírus não é um problema sobretudo das comunidades lusófonas, mas é um problema de todo o Grão-Ducado. O país é muito pequeno e não queremos estigmatizar ninguém, rotulando pessoas, empresas ou escolas”, explicou.

AM/AA
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos