Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Covid-19: INE estima que 23.616 pessoas perderam emprego em Cabo Verde por causa da pandemia

Cidade da Praia, 14 Mai (Inforpress) – O Instituto Nacional de Estatística (INE) estima que de Abril a Dezembro de 2020 um total 23.616 pessoas perdeu o emprego por causa da pandemia de covid-19 e a grande maioria trabalhava nos ramos de hotelaria e restauração.

Analisando o impacto da pandemia, no quadro das estatísticas de mercado de trabalho de 2020, o INE indicou que estimativas apontam que 5.515 pessoas tenham mudado de concelho de residência, sendo que destas 46,1% mudou por ter perdido o trabalho devido à covid-19.

“Cerca de 7.505 empregados (4% do total) estiveram ausentes do trabalho na semana de referência principalmente pelo facto da empresa estar fechada / sem actividade / em ‘lay-off’ por causa da pandemia (78,3%)”, refere o documento distribuído hoje à imprensa.

Conforme indicou, este fenómeno teve maior incidência nas ilhas do Sal e da Boa Vista onde 23,5% e 20,3%, respectivamente, dos empregados estavam ausentes, na sua grande maioria por estes motivos (90,7% na ilha do Sal e 87,6% na Boa Vista).

“De acordo com os resultados, estima-se que 23.616 pessoas sem emprego, perderam-no nos últimos 9 meses (entre Abril e Dezembro de 2020) devido à pandemia da covid-19. O meio urbano foi o mais afectado com cerca de 19.431 pessoas a perderem o emprego”, refere.

Segundo o INE, a grande maioria destas pessoas que perderam o emprego devido à pandemia trabalhava nos ramos de actividade de hotelaria e restauração (25,7%), construção (24,6%), comércio (11,4%) ou como empregados domésticos nas famílias (9,9%).

Metade destes continuou à procura e disponível para trabalhar, e 41,2%, apesar de não terem procurado trabalho, estavam disponíveis para iniciar um novo trabalho.

Conforme os dados, para fazer face à situação da perda de emprego, estas pessoas recorreram principalmente a ajudas de familiares e/ou amigos residentes em Cabo Verde (47,5%) e no estrangeiro (9,6%), e pouco mais de um quarto (27,5%) recorreu à poupança para cobrir as despesas de subsistência.

O INE avançou ainda que a situação da pandemia igualmente influenciou as horas trabalhadas com 11,8% dos empregados a declararam ter trabalhado menos horas do que o habitual e 13,9% mais horas do que o habitual antes da pandemia.

O Instituto esclarece que, obedecendo todas as recomendações da OIT, as pessoas que perderam emprego, mas que não procuraram emprego devido às restrições à mobilidade, à redução ou mesmo interrupção dos canais normais de informação sobre ofertas de trabalho em consequência do encerramento parcial ou mesmo total de uma proporção muito significativa de empresas, foram classificadas como inactivas.

Também a não disponibilidade para começar a trabalhar na semana de referência ou nos 15 dias seguintes, caso tivessem encontrado um emprego, por motivos de distanciamento ou isolamento social, levou à inclusão na população inactiva.

A pandemia de covid-19 em Cabo Verde teve o seu início em Março de 2020, com o registo do primeiro caso na ilha da Boa Vista, tendo levado ao encerramento de fronteiras e a suspensão e o encerramento de actividades em várias empresas com realce para as do sector do turismo e áreas conexas.

De acordo com a última actualização, neste momento o país contabiliza 27.672 casos positivos acumulados dos quais 24.546 foram declarados recuperados e 244 pessoas morreram, estando 2.866 casos activos.

A nível mundial a pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.333.603 mortos no mundo, resultantes de mais de 160,3 milhões de casos de infecção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

MJB/CP

Inforpress/fim 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos