Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Covid-19/Ilha do Sal: Alguns pais aplaudem ideia de aulas à distância mas outros nem por isso

Espargos, 22 Abr (Inforpress) – Alguns pais e encarregados de educação, no Sal, aplaudem a ideia do ensino à distância, mas outros nem por isso, considerando-a um recurso “inexequível” no país, já que muitos alunos não terão acesso ao veículo de comunicação.

Face ao anúncio do Governo de implementação do ensino à distância, cujas aulas deverão ser ministradas através da rádio e televisão, em razão da pandemia do novo coronavírus (covid-19), alguns pais se divergem quanto ao seu efeito prático.

Abordados pela Inforpress, uns e outros consideram, entretanto, que o alargamento do estado de emergência foi uma medida “acertada e prudente”, tendo em conta o número de casos que se vem registando no país, com foco na ilha da Boa Vista e Santiago.

Quanto à medida de implementação do ensino à distância, compreendem que em Cabo Verde essa metodologia só poderá abranger alguns, já que se está a viver um “momento delicado”.

“Estamos todos a aprender, a adaptarmo-nos a esta situação de pandemia. Aula à distância seria o ideal, caso as famílias cabo-verdianas tivessem possibilidade e condições para acompanhá-las nesses termos, nessa metodologia”, analisou Alcinda Neves, mãe de duas crianças do ensino básico.

Seguindo o mesmo diapasão, Dina Ferreira, que antes vivia no Sal, mas actualmente reside em Santiago, acrescentou que não obstante o desenvolvimento tecnológico, onde muitos meninos e jovens têm acesso a telemóvel, tablet, internet, muitas são ainda as famílias cujas crianças não têm estas ferramentas.

“E muitas famílias estão nas zonas ditas de sombra ou em localidades encravadas, como por exemplo, no Fogo, Brava, Santo Antão, Santiago, entre outras, onde a televisão e a rádio chegam com alguma dificuldade”, encarou.

Também para Adelino Silva, pai de um rapaz que frequenta o 11º ano, não é uma ideia “fabulosa”, já que uma pequena parte dos estudantes é que, conforme depreende, poderá aproveitar essas aulas à distância.

Também, abordada sobre a questão, a eleita municipal Kátia Carvalho, mas na qualidade de mãe, vê com bons olhos a implementação do ensino à distância, enquanto os alunos estão em casa, sem aulas, neste período de pandemia que assola o mundo e o país.

“As notícias de retoma do ano lectivo, através de aulas à distância, são boas. Vejo com bons olhos, já que permitirá manter os alunos ocupados, com o ritmo de estudo, fundamental”, manifestou Kátia Carvalho, ponderando, entretanto, sobre a questão da avaliação, já que o acesso dos alunos a essa metodologia não irá ser igual, para todos.

“Será uma experiência a iniciar agora e que, creio, poderá vir a ser melhorada ao longo da sua implementação”, depreendeu.

O apelo dos pais e encarregados de educação vai no sentido de um exercício de obediência e serenidade, tentar colaborar e cumprir “o máximo possível” as orientações das autoridades para evitar a propagação do vírus no país, para que se possa sair dessa situação da melhor forma.

SC/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos