Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Covid-19: Fecho de fronteiras é como um “novo apartheid” – Mia Couto

Maputo, 02 Dez (Inforpress) – O escritor moçambicano Mia Couto classificou hoje como “um novo apartheid” o fecho de fronteiras à África Austral imposto por vários países, após a descoberta da variante Ómicron do vírus da covid-19.

“Estes países que foram bloqueados, uma espécie de novo ‘apartheid’, viam a possibilidade de neste fim de ano, principalmente naquilo que é a indústria turística, terem algum outro alento, mas não vai suceder”, lamentou, numa alusão ao regime de segregação racial que durante décadas vigorou na África do Sul.

Mia Couto falava ao lado de outro escritor, José Eduardo Agualusa, que inaugurou em Maputo a exposição de fotografia e poemas “O Mais Belo Fim Do Mundo” sobre a Ilha de Moçambique – actual morada de Agualusa.

Ambos insurgiram-se no domingo contra as restrições com um texto conjunto intitulado “Duas Pandemias”, que publicaram na Internet e que se tornou viral.

Três dias depois, não só reafirmam o que escreveram como alertam para o avolumar dos prejuízos com a continuação do que classificam como um bloqueio.

“Os danos provocados já são enormes”, referiu Agualusa, evocando um artigo do dia sobre o rombo no turismo da África do Sul e as dificuldades particulares a que tem assistido em Moçambique.

E se “nas últimas semanas havia alguma esperança”, agora “voltou tudo atrás” considerando a situação “absurda”: “Tomara a Europa ter os mesmos números [de covid-19] que Moçambique e, no entanto, o país é prejudicado desta maneira”.

“Gostávamos que esses países tivessem sido tão ágeis, tão rápidos na distribuição equitativa das vacinas”, como na decisão de fechar fronteiras, acrescentou Mia Couto, sublinhando que tudo o que escreveram “não se altera se por acaso se provar que esta variante tem gravidade”.

Nada muda porque aquilo que seria um “procedimento” adequado não foi seguido e neste caso foi “o mais fácil, menos credível e correcto que fizeram com agilidade”.

“Infelizmente já não é só a Europa, há vários países africanos que se juntaram a essa coisa precipitada e não eficaz de erguer muros”, numa altura em que “está mais que sabido” que “há várias outras alternativas mais eficientes” de lidar com a pandemia.

A ciência está a ser substituída “por razões de natureza política” e de “reposta ao medo” para tomar decisões”, acrescentou.

A situação “exige sobretudo que os políticos oiçam mais os cientistas, que não tomem decisões antes de ouvir as pessoas da ciência, que são quem pode falar sobre este tipo de questões”, concluiu Agualusa.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou na terça-feira que “as proibições de viagens não vão impedir a propagação internacional” da variante Ómicron e “representam um fardo pesado para vidas e meios de subsistência”, podendo “ter um impacto adverso nos esforços globais” de luta contra a pandemia”.

Numa tentativa de conter a propagação da nova estirpe do SARS-CoV-2, diversos países, incluindo Portugal, fecharam fronteiras aos estrangeiros ou suspenderam e restringiram viagens internacionais, em particular para a África Austral, nomeadamente com Moçambique.

O país lusófono tem um total acumulado de 1.941 mortes e 151.594 casos de covid-19, dos quais 98% recuperados e sete internados.

A covid-19 provocou pelo menos 5.206.370 mortes em todo o mundo, entre mais de 261,49 milhões infecções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e actualmente com variantes identificadas em vários países.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos