Covid-19: Estudo revela que medidas contra pandemia afectam homens e mulheres de maneira diferente

Cidade da Praia, 21 Out (Inforpress) – Um estudo de impacto de covid-19 na desigualdade de género revela que as medidas de contenção sanitárias adoptadas no quadro da pandemia afectam a homens e mulheres de maneira diferente, aprofundando desigualdades pré-existentes.

De acordo com o estudo realizado pela Afrosondagem, sob a encomenda do Instituto Cabo-verdiano para a Igualdade e Equidade do Género (ICIEG), é “imprescindível analisar o impacto diferencial não só entre os sexos, como também entre diferentes grupos de mulheres e homens”, a fim de se desenhar políticas públicas que promovam um “desenvolvimento inclusivo, assim como uma resposta efectiva à actual conjuntura”.

O mesmo estudo evidencia que, no contexto da crise sanitária, as normas de género representam riscos adicionais no que se refere à igualdade, sendo as mulheres as “principais prejudicadas”.

Em relação à informação sobre a covid-19, o inquérito revela que a aposta das autoridades pelo uso da comunicação social, e mais especificamente da televisão, foi uma “escolha muito acertada”, dado que esta é a “principal fonte de informação da população sobre esta matéria”.

O estudo revela, ainda, o “impacto positivo” da comunicação, no seu sentido lato, no facto de que, tanto homens como mulheres adoptaram de forma massiva medidas para evitar o contágio.

Por outro lado, ficou claro que existem “diferenças claras entre ambos sexos”, especialmente no que se refere ao espaço público. E cita como exemplo disto o fato de as mulheres serem “mais precavidas na hora de evitar realizar saídas desnecessárias”.

Ainda no que tange ao uso do espaço público, o estudo mostra grandes diferenças entres homens e mulheres. Enquanto elas usam mais o transporte público e, quando saem, vão mais aos supermercados e farmácias, já os homens realizam mais actividades de lazer, como visitar familiares, ir aos cafés e restaurantes ou ir à praia.

A grande maioria dos respondentes (78%) cita os telejornais como sendo a sua fonte principal de acesso a informações sobre a evolução da pandemia causada pela covid-19.  A seguir vêm as redes sociais que inclui, o Facebook, o Twiter e o Instagram, com cerca de 54% dos inquiridos a subscreverem essa fonte.

Em terceiro plano, indica o estudo, figuram as rádios com mais de 34% de referências. As conferências de imprensa da Direcção Nacional de Saúde (13,8%) e Página do Governo (9,5%) completam o elenco das fontes mais citadas.

O estudo da Afrosondagem destaca que as mulheres estão na primeira linha face à covid, configurando a maior parte dos profissionais de saúde do País. Também são as protagonistas na realização das tarefas de cuidados no âmbito doméstico, estando assim, mais expostas ao contágio.

“As mulheres enfrentam maior vulnerabilidade económica, mostrando um índice mais alto de informalidade laboral, pelo que contam com menor protecção social”, aponta o documento a que a Inforpress teve acesso, que acrescenta que o País conta com uma população idosa marcadamente feminizada (as mulheres representam 60.5% da população maior de 65 anos), o que implica uma “tendência à feminização dos grupos de risco face à doença”.

Este estudo visa conhecer o impacto do surto da covid-19 nas mulheres e meninas (especialmente sobre as mulheres do sector informal, as profissionais de saúde, as grávidas e puérperas e empregadas domésticas) em Cabo Verde.

O estudo a ser apresentado esta quinta-feira, 22, foi realizado durante o mês de Julho, com o inquérito feito entre os dias 10 a 20 de Julho e as entrevistas e sessões de focus grupos entre os dias 20 a 30 de Julho, abrangendo a população com a idade a partir dos 18 anos.

Ao todo, foi um total de 1.000 amostras que contemplaram as ilhas de Santiago, Sal, Fogo e São Vicente.

LC/DR

Inforpress/Fim

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos