Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Covid-19: ECDC e EMA dizem ser “demasiado cedo” para decisão sobre eventual terceira dose

Bruxelas, 14 Jul (Inforpress) – A Agência Europeia do Medicamento (EMA) e o Centro Europeu para o Controlo de Doenças (ECDC) consideraram hoje ser “demasiado cedo” para avançar com uma decisão sobre a necessidade de uma hipotética terceira dose das vacinas contra a covid-19.

“Actualmente, é demasiado cedo para confirmar se e quando será necessária uma dose de reforço para as vacinas covid-19, porque ainda não há dados suficientes das campanhas de vacinação e dos estudos em curso para compreender quanto tempo durará a protecção contra as vacinas, considerando também a propagação de variantes”, referiram as duas instituições europeias num comunicado conjunto.

Todavia, EMA e ECDC asseguraram que já estão a trabalhar entre si e em conjunto com os grupos consultivos técnicos nacionais de imunização, ou seja, os peritos dos Estados-membros que prestam aconselhamento sobre programas de vacinação coordenados pelo ECDC.

“Quaisquer novas provas que se tornem disponíveis sobre este tópico serão rapidamente revistas. Os dados de eficácia no mundo real da Europa e de outras partes do mundo são de particular interesse para complementar os dados de ensaios clínicos que investigam as doses de reforço”, acrescentaram os dois organismos.

Em paralelo, sublinhou o regulador europeu do medicamento, decorre também um trabalho de colaboração com os laboratórios responsáveis pelo desenvolvimento das vacinas para a coordenação em torno da apresentação dos dados sobre esta matéria.

“Isto deverá assegurar que as medidas regulamentares para permitir a possibilidade de utilização de uma dose de reforço possam ser tomadas o mais rapidamente possível, caso se revele necessário”, frisou a EMA.

Enquanto a pandemia não é declarada como controlada, as duas entidades europeias defenderam uma vez mais a importância da manutenção de medidas de protecção não farmacológicas, sobretudo o uso de máscara e o respeito pelo distanciamento social com vista a “conter a transmissão comunitária da variante Delta até que mais populações estejam completamente vacinadas” contra a covid-19.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.053.041 mortos em todo o mundo, entre mais de 187,7 milhões de casos de infecção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos