Covid-19: Director Nacional de Saúde defende consolidação da situação epidemiológica antes de desapertar medidas de contenção

Cidade da Praia, 28 Jan (Inforpress) – O director Nacional da Saúde, Jorge Barreto, defendeu hoje, na Cidade da Praia, a consolidação da situação da pandemia da covid-19 em Cabo Verde, antes de afrouxar as medidas de contingência já adoptadas pelo Governo.

O director Nacional da Saúde fez esta apreciação à saída do seminário alusivo ao Dia Mundial da Lepra, após ser questionado se não é altura de afrouxar um pouco as medidas, já que os novos dados apontam para uma redução significativa de casos de infecções activos.

“Penso que ainda é muito cedo para pensarmos nisso, precisamos que a situação se consolide, analisar bem as tendências até porque ainda lá fora a situação não está controlada sobretudo na Europa”, opinou este responsável.

Defendeu, por isso, que ainda há a necessidade de ter “muita cautela”, mas, reiterou que irão continuar a fazer a análise da evolução da pandemia da covid-19 no País, de maneira que, provavelmente, o Governo terá todos os elementos necessários para tomar a “melhor decisão”, no que tange às medidas de protecção civil.

Na habitual conferência de imprensa realizada às segundas-feiras para fazer o ponto de situação da pandemia no País, referente ao período de 10 a 23 de Janeiro, Jorge Barreto informou que a taxa de incidência acumulada da covid-19, em Cabo Verde, caiu de 1990 para 891 por 100 mil habitantes, representando uma redução de mais de 50 por cento (%) face ao período anterior.

Disse ainda que esse dado representa um “sinal de alguma melhoria”, embora a taxa se encontre ainda muito acima dos 150 por 100 mil habitantes que é o recomendado.

“Quer isso dizer que é preciso continuar reforçando mais uma vez, a ter em atenção as medidas de prevenção para continuarmos a verificar uma melhoria em termos da situação epidemiológica da covid-19 em Cabo Verde”, assinalou.

O director nacional assinalou também uma redução na taxa de positividade que caiu dos 32,5% verificada de 27 de Dezembro a 09 de Janeiro, para 25,5% de 10 a 23 de Janeiro, mas ainda assim muito superior ao recomendado que é 4%.

Conforme Jorge Barreto, nas últimas duas semanas foram analisadas um total 19.973 amostras, representando uma média de 1.409 amostras por dia, que resultaram num total de 5.016 casos novos, uma média de 358 casos por dia e uma taxa de positividade de 25,4%.

A taxa de transmissibilidade (RT) está em 0,43, o que na perspectiva do director nacional de Saúde aponta para uma melhoria da situação em termos de número de casos novos a serem identificados.

Entretanto, durante o mês de Janeiro Cabo Verde registou um total de 40 casos de óbitos por covid-19, dos quais 15 na última semana.

E segundo os dados apresentados esta quinta-feira, 27, Cabo Verde passa a contabilizar 659 casos activos, 54.497 casos recuperados, 393 óbitos, 37 óbitos por outras causas e nove transferidos, perfazendo um total acumulado de 55.595 casos positivos.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como “preocupante e muito contagiosa” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detectada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em Novembro, tornou-se dominante em vários países.

TC/MJB//HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos