Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Covid-19/Boa Vista: Realizados 450 testes rápidos em duas localidades e 160 a grupos de risco – delegada de Saúde (c/áudio)

Sal Rei, 19 Mai (Inforpress) – Quatrocentos e cinquenta testes rápidos da covid-19 foram realizados em duas localidades da Boa Vista, Rabil e Cidade de Sai Rei, e mais 160 a grupos de riscos, entre eles militares, polícias e profissionais de saúde.

A delegada de Saúde da Boa Vista, Liliane Hungria, avançou estes dados ao fazer o balanço do trabalho de sensibilização em toda a ilha de Boa Vista e testes rápidos realizados na localidade de Rabil e na cidade de Sal Rei, com mais casos confirmados do novo coronavírus.

Segundo a responsável, todos os testes aplicados acusaram negativo e, apesar de considerar um “pouco precipitado” falar de circulação do vírus com apenas uma percentagem da população da ilha, avançou que existe a percepção de que não houve propagação do novo coronavírus naquelas localidades.

“Nesta semana continuamos a nossa actividade, com foco na aplicação de testes rápidos a grupos de risco como os militares, bombeiros e policia nacional, visto que estão no momento de regresso para a Cidade da Praia”, informou a delegada.

A mesma fonte avançou que foram realizados 160 testes a este grupo, e que até a próxima semana pretendem seguir com este trabalho, que é feito de acordo com as respectivas escalas de trabalho e a marcação do regresso para a Cidade da Praia.

Ainda conforme assegurou Lialiane Hungria fez-se ainda a descentralização de cuidados para outras localidades, nomeadamente no interior da ilha, visto que durante os dois meses as pessoas portadoras de doenças crónicas não foram avaliadas com a frequência a que estavam habituadas.

Dai, frisou a delegada, além da sensibilização porta-a-porta, a equipa deu continuidade aos cuidados, com auxilio de um posto de saúde com médicos e enfermeiros, que fizeram avaliação de tensão arterial, glicemia e consultas de clínica geral e a crianças com queixas diversas, e algumas visitas domiciliárias a pacientes acamados.

“Tivemos a percepção de que já havia uma ansiedade para sair do estado de emergência, para uma certa normalidade, e nota-se que neste momento as pessoas já saem à rua e vivem de uma forma mais normal”, considerou, sublinhando que ainda o País tem a transmissão do novo coronavírus e que apesar de a ilha da Boa Vista se encontrar numa fase “mais estável, não significa que se deve baixar a guarda”.

Para Liliane Hungria este é exactamente o momento que se deve estar mais alerta, tanto as autoridades como a população, por isso reiterou a necessidade do reforço das medidas de segurança sanitária, como higiene das mãos, distanciamento social e uso máscaras.

A delegada de Saúde asseverou que “todo o cuidado é pouco” e destacou a importância de seguir as regras para que a ilha possa vir a estar livre do novo coronavírus, relembrando que ainda a ilha de Santiago tem a transmissão do vírus.

Liliane Hungia disse ainda que de momento ainda “não há previsão para massificação dos testes rápidos”, e que se aguarda orientações centrais para o próximo passo.

VD/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos