Covid-19: Bastonário da OMC propõe elaboração de normas e protocolos sobre prevenção e controlo de infecção intra-hospitalar

Cidade da Praia, 14 Abr (Inforpress) – O bastonário da Ordem dos Médicos Cabo-verdiano (OMC) propôs ao Ministério da Saúde a elaboração obrigatória de normas e protocolos sobre prevenção e controlo de infecção intra-hospitalar em todas as estruturas de saúde do País.

A proposta assinada pelo bastonário da OMC e a que à Inforpress teve acesso foi feita através de uma carta enviada à tutela do sector de saúde em Cabo Verde, onde Danielson Veiga, solicitava também a criação de uma equipa de supervisão para garantir que os protocolos fossem colocados em prática.

Segundo o bastonário, a equipa de supervisão deve ser constituída por membros das Ordens de profissionais de saúde, nomeadamente da Ordem dos Médico Cabo-verdiano, Ordem dos Farmacêuticos de Cabo Verde, Ordem dos Enfermeiros de Cabo Verde, Comissão da Direcção Nacional da Saúde, Hospitais, Delegacias e outros.

Na carta, o bastonário da OMC aconselha a tutela de Saúde que, na plataforma digital no site do Ministério, fosse apresentado ao público, de forma consistente e diariamente actualizada, todas as informações sobre os registos nacionais diários de casos sobre a pandemia de covid-19.

Danielson Veiga lembra ainda a necessidade de se publicar casos confirmados, recuperados, óbitos, suspeitos, colheita das amostras, de isolamento profilático hospitalar e domiciliar (casa/hotel), e quarentena dos profissionais de saúde.

Face à situação da população, a Ordem recomenda que fosse levado em consideração o estudo de grupos sociais testados ou que adquiriram imunidade à doença (sobretudo os assintomáticos), com regras e garantias de controlo das cadeias de transmissão e a pressão que esta impõe à economia do país, aos serviços públicos e aos profissionais de saúde.

“A elaboração de um estudo sobre o impacto do confinamento domiciliar obrigatório e de contenção social sobre a saúde mental, a alimentação e o exercício físico da população durante o Estado de Emergência e a epidemia”, indica na carta.

Por fim, apesar de se manifestar de acordo com o Estado de Emergência, lembra as autoridades nacionais a terem em conta o efeito e consequências de confinamento domiciliar prolongado e os riscos de surgimento de tensões sociais e seus reflexos na saúde mental dos cabo-verdianos.

Cabo Verde está a cumprir hoje o seu décimo sétimo dia de Estado de Emergência que poderá ser suspenso a 17 de Abril caso o Presidente da República assim o decidir após as audições com os principais parceiros nacionais sobre a matéria.

PC/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos