Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Covid-19/Porto Novo: MAA garante que há ração animal no mercado local

Porto Novo, 22 Abr (Inforpress) – As estruturas do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) no Porto Novo garantiram hoje que existe ração animal no mercado, que pode ser adquirida pelos criadores nas mesmas condições que vinha sendo comprada antes da pandemia de covid-19.

Os serviços do MAA no Porto Novo reagem, assim, à preocupação dos criadores de gado do Planalto Norte do Porto Novo, segundo os quais “sem pasto e sem ração, os animais vão começar a morrer” nessa localidade, “drasticamente” afectada pela seca.

Para esses serviços, ficou a ideia de que não há ração no Porto Novo, o que não corresponde à verdade, mas reconhecem as dificuldades dos criadores na compra do alimento para o gado, devido às restrições para se conter o alastramento da pandemia do novo coronavírus (covid-19), em Cabo Verde.

Os criadores de gado no Planalto Norte dizem estar a correr o risco de perder os seus animais, já que não há pasto por causa da seca, e não conseguem, nesta altura, comprar a ração, porque estão sem rendimentos (não têm conseguido colocar o queijo no mercado).

A juntar a uma dura seca de três anos consecutivos, que já estava a levar estas famílias ao limite”, surge a pandemia de covid-19 e as consequentes medidas de quarentena, que complicaram ainda mais a vida dos criadores, que estão sem quaisquer rendimentos, informou António Lima.

Os criadores não conseguem, por isso, comprar ração animal, alertou a mesma fonte, informando que nessa comunidade reside perto de uma centena de famílias, todas dependentes da criação de cabras para a produção de queijos, actividade que está em risco devido à pandemia.

O presidente da câmara do Porto Novo reconhece que a “situação já difícil” que se vive no Planalto Norte piorou com a chegada da pandemia do novo coronavírus, as quais estão tendo “grande repercussão” na vida dos 600 habitantes desse planalto, que vivem dependendo da pecuária.

Assegurou, porém, que a população local está a ser alvo de “todo o cuidado” da sua câmara.

JM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos