Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Cotação do Brent ‘dispara’ com antecipação do duelo OPEP+ com grandes consumidores

Londres, 24 Nov (Inforpress) – A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em Janeiro terminou hoje no mercado de futuros de Londres em alta de 3,18%, para os 82,19 dólares.

O crude do Mar do Norte, de referência na Europa, concluiu a sessão no International Exchange Futures a cotar 2,53 dólares acima dos 79,66 com que fechou as transacções na segunda-feira.

A cotação do Brent disparou depois de se saber que EUA, China, Índia, Japão e outros países consumidores de petróleo iam coordenar-se para libertarem de forma concertada cerca de 50 milhões de barris de petróleo das suas reservas estratégicas.

Este plano, concebido para diminuir os preços do petróleo e favorecer a expansão económica pós-pandemia, provocou um efeito inicial oposto no mercado.

Os analistas acreditam que a acção coordenada por Washington pode levar a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e os seus aliados, como a Federação Russa, que formam o designado OPEP+, a tomarem medidas que visem contrariar os efeitos pretendidos por aqueles grandes consumidores.

Os analistas admitem que o OPEP+, liderado por sauditas e russos, decida inverter a sua intenção de aumentar em 400 mil barris diários a sua produção em Dezembro.

O plano de Washington “talvez tivesse tido mais impacto se os EUA tivessem esperado para agir até depois do anúncio da subida da produção do OPEP+ em Dezembro”, considerou Michael Hewson, analista da CMC Markets.

Em todo o caso, a libertação de reservas é de “uma escala sem precedentes” na “história recente do mercado de petróleo”, salientou Bjornar Tnohaugen, da Rystad Energy.

“Esta é a primeira vez em que estes países, incluindo a China, fazem uma libertação (de reservas) coordenada. A última vez que se viu algo similar foi durante a guerra civil na Líbia em 2011, quando os países da AIE (Agência Internacional de Energia) libertaram reservas de maneira conjunta, mas naquela ocasião sem a China”, sublinhou.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos