Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Corporação Financeira Internacional é o primeiro parceiro do Compacto Lusófono – BAD

Abidjan, 02 Dez (Inforpress) – A Corporação Financeira Internacional (IFC na sigla em inglês), membro do Banco Mundial, tornou-se hoje o primeiro parceiro institucional do Compacto para Financiamento do Desenvolvimento para os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, ou o Compacto Lusófono.

A parceria foi formalizada com a assinatura de um acordo entre o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e o IFC, numa cerimónia em Abidjan transmitida ‘online’.

“Hoje anuncio que o IFC é a primeira entidade a ser admitida como parceira pela direcção do Compacto Lusófono”, disse o vice-presidente do BAD para os serviços corporativos e recursos humanos, Mateus Magala, que assinou o acordo em nome do BAD.

O Compacto Lusófono é uma iniciativa lançada no final de 2017 pelo BAD e pelo Governo português para financiar projectos lançados em países lusófonos com o apoio financeiro do BAD e com garantias do Estado português, que assim asseguram que o custo de financiamento seja mais baixo e com menos risco.

O principal objectivo da iniciativa é aumentar o desenvolvimento do sector privado nos seis países africanos de língua portuguesa – Angola, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Guiné Equatorial – através de três instrumentos: mitigação de risco para desbloquear investimento, financiamento directo de investimentos privados e assistência técnica para reforçar o crescimento do sector privado.

Segundo Magala, o compacto nasceu da vontade de “reforçar laços económicos, promover o desenvolvimento do sector privado e a integração regional” dos países africanos de língua portuguesa (PALOP) e “está aberto a novos parceiros que contribuam para os principais objectivos da iniciativa”.

O acordo hoje assinado, sublinhou o responsável moçambicano, é um “marco significativo no sentido dos objectivos da iniciativa, enquanto capitaliza sinergias de outros parceiros, reconstruindo melhor para o benefício dos povos da África lusófona.

“Este marco notável irá maximizar o apoio e a prestação de um apoio adequado ao desenvolvimento acelerado do sector privado e à integração regional nos PALOP. A IFC traz a sua vasta experiência e conhecimentos globais no apoio ao desenvolvimento do sector privado”, acrescentou Magala.

Para o IFC, disse por seu lado o vice-presidente regional para África da organização, Sérgio Pimenta, o acordo “é particularmente importante quando África sofre o impacto da covid-19”.

“Temos de unir esforços para que possamos contribuir para o desenvolvimento sustentável do continente”, afirmou o português.

Sublinhando que os objectivos do Compacto Lusófono “estão muito alinhados com a abordagem e a estratégia do IFC em África”, Sérgio Pimenta disse que a organização “tem estado bastante activa nos países lusófonos.

“Mas este acordo permite-nos fazer ainda mais”, afirmou, recordando que em Moçambique o IFC lançou recentemente uma linha de financiamento para permitir a pequenas empresas aceder a financiamento para exportar os seus bens e que há dois anos abriu escritório em Angola, onde tem estado a aumentar a sua operação.

“Temos também estado envolvidos em outros PALOP e acredito que o Compacto será uma boa plataforma para trocarmos conhecimento, experiência e para depois co-financiarmos e apoiarmos os países no seu caminho do desenvolvimento”, acrescentou.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos