Corpo de Escutismo Católico debate alcoolismo com chefes de agrupamentos na Praia

Cidade da Praia, 27 Nov (Inforpress) – O Corpo de Escutismo Católico realizou hoje, na Cidade da Praia, um atelier sobre o uso abusivo do álcool, destinado aos chefes dos agrupamentos.

O evento acontece no âmbito da celebração do 20º aniversário do Corpo de Escutismo Católico, parceiro da campanha “Menos Álcool Mais Vida, e visa elucidar os chefes dos agrupamentos sobre essa temática, para que possam multiplicar acções nesta matéria nas suas comunidades, segundo a chefe nacional do Corpo de Escutismo Católico, Zezinha Alfama.

“O facto de o álcool ser uma problemática muito relevante achamos por bem discutir o tema a nível dos dirigentes e, sobretudo agora que estamos a aproximar-nos das épocas festivas, a nossa intenção é melhorar os nossos serviços junto das pessoas, a nível das comunidades”, disse.

Zezinha Alfama realçou que a sua percepção, sobretudo a nível da comunidade, é que as pessoas estão mais sensibilizadas quanto à abordagem numa lógica de informação, sensibilização e prevenção.

Já se referindo às pessoas doentes por consumo de álcool, admitiu que tendo sido mais difícil a abordagem devido à existência de vários tabus, pelo que admite a necessidade de se ter ferramentas certas para falar do tema a este público-alvo.

“Há sempre recusa, mas a aposta é trabalhar os mais jovens e fazê-los entender que o álcool vicia e poderá trazer consequências graves à vida de cada um”, asseverou, sublinhando ainda, que para além de conversas ligadas ao álcool, o Corpo de Escutismo Católico vai, ainda, falar do abuso sexual de menores no âmbito do seu vigésimo aniversário.

Para o representante da campanha “Menos Álcool Mais Vida”, Manuel Faustino, que participou no atelier para discutir a prevenção do uso abusivo de bebidas alcoólicas e quais os elementos a ter em conta nesta matéria, a multiplicação de parceiros na acção de sensibilização é importante para a diminuição do consumo de álcool no país.

“Os escuteiros são jovens que actuam e activistas importantes, pelo que a ideia é trazer, neste atelier, elementos que os ajudem a consolidar a sua actuação nessa matéria, nas comunidades”, advogou.

O álcool por ser uma questão transversal na vida das pessoas que consumem deve, conforme Manuel Faustino, ter abordagens diferentes nas diferentes vertentes.

Questionado sobre a percepção da campanha quanto ao consumo do álcool na situação do Covid-19, Faustino sublinhou que o isolamento e a restrição do acesso podem ajudar a diminuir o uso, mas também podem levar ao aumento já que as pessoas, em casa, podem compensar toda essa situação com ‘beber mais’.

Para contornar a situação adiantou que a campanha “Menos Álcool, Mais Vida” tem vindo a alertar as pessoas sobre o assunto e está a preparar um estudo para saber o que se está a passar na realidade.

PC/HF

Inforpress/Fim

ResponderEncaminhar
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos